Post de final de ano


É assim, eu desisti de responder os comentários.

Ah, eu sei. Isso é muito filho da puta da minha parte… Mas, que atire a primeira pedra quem não ficou sem responder os comentários!!1!

Enfim, como sabem, eu esqueço de atualizar o Keshigomo para atualizar o Onigiri. Quer dizer, não é bem “esquecer”, é mais preguiça.
Acho até irônico pessoal que comenta aqui. Pô, isso me deixa feliz! Entendam que eu leio os comentários e saibam que eu guardo de coração. <3 Eu só… Bem…

Tenho coisas pra arrumar.


A primeira delas é o Onigiri.
Quer dizer, toda vez que escrevo algo no Keshigomo, inevitavelmente eu falo sobre o Onigiri.
Então, sobre o Onigiri, eu vou dividir por tópicos.

  • Gincana Onigiri
  • Durante dois meses (e ainda trabalhando), eu e a Kih tamos trabalhando no último jogo da Gincana, normalmente reservado para o Labirinto do Nekozawa.
    Há um tempo, eu e a Kih estávamos falando que a gente sempre tem feito algo novo na Gincana e nos outros eventos do Onigiri… Conversa vai, conversa vem, e ela perguntou se tinha algo novo planejado pra Gincana (isso em Setembro/Outubro)
    -Novo? Bom, ainda não pensei nisso. Tem algo em mente?
    Hmmm… Na verdade, não
    -A gente sempre começa a Gincana do mesmo jeito, mas o último desafio tem que ser um jogo/algo relacionado ao nosso Nekozawa.
    Ele é uma praga. Apareceu em todas as Gincanas
    -Exato.

    Conversa vai, conversa vem… E falamos da Pacthesis, animadora em Flash.
    -Tive uma ideia.

    E estamos trabalhando no último jogo da Gincana desde então. Fizemos até uma abertura com a música Sparking, porque a outra música de abertura que estávamos planejando não ficou pronta.

  • Onigiri Epic RPG
  • Numa abafada noite de quarta-feira, eu entro no chat do Onigiri e percebo uma pequena movimentação. Noto que todos estavam criando fichas de personagens de RPG, uma historinha pessoal e estavam discutindo sobre RPG.

    -Uai?
    Sii-sama! Quer jogar RPG?
    Achei a ideia interessante, mas nunca havia jogado rpg no msn e falei que iria só observar.
    Estava lá, apenas vendo a movimentação e achando até divertido. Mas todos estavam confusos sobre quem iria mestrar.
    A discurssão sobre quem iria mestrar perdurou por muito tempo…

    -Ah! Então posso mestrar?

    E fui lá aceitar o desafio de mestrar um rpg no msn. No começo, achei confuso, pois nunca havia mestrado e nem sabia como ia funcionar as lutas.
    A história é bem clichê até, já que nunca fui muito boa em role-play.

    Como o pessoal pareceu animado, eu fiquei empolgada também com isso. Aproveitei e deixei outras pessoas mestrarem este mesmo rpg, já que quase não entro no msn.

    Bom, atualmente quem está mestrando é o Victor e eu estou mais como espectador, já que ele tinha uma ideia melhor pro rpg. Algumas vezes eu interrompo o rpg com o meu personagem: Deus.
    E só eu posso invocar Guitarras Astrais. -q

  • Vocalovers
  • Achei muito empolgante a ideia da Myio sobre montar um grupo cover de Vocaloid. Antes era pra ser um grupo normal no Youtube, mas eu acabei me empolgando demais, e empolgando a Myio, e empolgando todo mundo, como se fosse catapora.

    Já estreamos nosso primeiro Chorus! x3 Já abrimos o nosso Fan Site! E, claro, já temos o nosso Canal no Youtube.
    É óbvio que não passamos de Shower Singer’s. -q

    De uma forma ou de outra, está muito divertido. Finalmente minha voz de Cid Moreira serve pra algo! õ/
    (Há aqueles que perguntam se eu modifico minha voz em algum programa pra ela parecer grossa… E eu respondo: tem como fazer isso no Movie Maker? Assim eu evitaria minhas desafinadas.)

    E quero cantar Imitation Black. /Hmmm


    Uma coisa que aconteceu esses dias foi meu pai me proibir de ter minha vida social no rpg.

    Foi o seguinte: dois dias antes de eu entrar de recesso (porque não estou de férias, apesar de estar atualizando o Keshigomo), teve a crônica do Riki. Eu já havia perdido tanta coisa, o Balanar perdeu a oportunidade de matar dois dragões branco jovens, perdeu a cena shoujo-ai do rpg… Eu já nem queria perder mais nada.
    No dia seguinte, eu teria prova de Programação Sistemática, mas nada que eu saísse mais cedo da crônica pra estudar um pouquinho e dormir cedo.

    Saí de lá umas 23:00, dei uma estudadinha até 00:30/01:00 e fui dormir.
    E acordei às 9:00.
    Mas a prova começava às 8:00.

    Desesperada, eu liguei pro meu pai ir me buscar na República, pois ele andava de carro mais rápido que eu no Ricardão. Ele perguntou o motivo de eu estar tão atrasada e eu falei que dormi tarde aparentemente. Nessa hora, ele brigou comigo por causa do rpg, mas eu só estava preocupada em como explicar minha situação pra professora.

    Cheguei lá quase aos prantos, porque não sou nem nunca serei de faltar aula (e foi assim que passei catapora pra todo mundo na 5ª série). Mesmo que eu capote no meio da aula, eu não falto.

    A professora foi muito gente boa neste aspecto: falou pra eu fazer a prova noutra sala e me deu mais uma hora pra fazê-la (ou seja, eu teria 2 horas pra fazer a prova). Eu esperava algo como “Chegou muito atrasada, sinto muito” ou “Consegue fazer a prova em 1 hora?”.

    É óbvio que esqueci a “colinha” pra fazer a prova, que a professora recomendou todo mundo levar, pois iria precisar. Na pressa, só levei meu fichário, que tinha lapiseira, borracha e caneta.

    Claro que fui mal na prova.

    Mas, tirando o fato que não poderei jogar rpg até o final do semestre (até entendo a posição do meu pai, por isso não relutei na decisão dele), nas outras provas…

    Bem, em Estrutura de Dados fui muito bem! Eram duas questões e só consegui fazer a primeira. Acho que conseguiria fazer a outra se tivesse mais tempo.
    E olha que consegui tirar a média!

    Em Teoria dos Números eu fui muito imbecil. Eu havia estudado uma questão que o professor falou que ia cair e que valeria 3 pontos de 12. E, na hora de fazê-la na prova… Eu simplismente esqueci! Dos 4 passos, eu esqueci do 3º…
    Não acredito que perdi a chance de ganhar mais 3 pontos naquela prova… Não acredito que não vou poder tirar a média só por causa de um passo que esqueci.

    Na de Cálculo, eu fazendo-a estava até achando que estava indo bem… Mas foi só comparar respostas com outras pessoas na saída que percebi que havia ido mal.

    Em Lógica Computacional, matéria a qual estou odiando, eu fui muito bem na prova, graças ao Padawan, que deu aula de reforço pras pessoas que foram mal nas listas. Eu até havia parado de entregar as listas de exercício porque não estava conseguindo fazê-las direito.

    Em Língua Japonesa eu consegui a concessão de créditos. Semestre que vem eu pego Língua Japonesa III.

    Em Introdução à Filosofia Bruxaria, eu fui bem na prova. E queria poder passar nessa matéria com apenas essa primeira prova. Acho que não tenho paciência pra tentar entender o que o autor daquele texto quis dizer com aquele bando de comparações estranhas…
    Por isso não faço humanas. -q


    E creio que seja só isso que tenho a contar. D8 Vida monótona, sabe como é…

    Quero uma máscara de dinossauro


    Primeiro, eu vou responder os comentários. E os passados também. Eu só preciso de uma máquina do tempo ou o Vira-Tempo da Hermione pra eu poder fazer essas coisas.

    A culpa, obviamente, é minha. Fui inventar de pegar 7 matérias e estudo todos os dias até às 18:00. Estou empurrando com a barriga a prova de japonês da Escola Modelo e só tenho vida social às sextas a partir das 20:00.


  • Não, Naom
  • Então, os únicos momentos de vida social off que tenho tido é o RPG D&D toda sexta.
    Até que tem sido divertido. /risos

    Eu sou um anão. Me chamo Naom. Sou um anão bêbado.

    Ou seja, para um anão ser considerado bêbado significa que o Naom bebe muito, muito, muito.
    É muito chato interpretá-lo sóbrio.
    A Sora também tá participando. Ela é uma semi-elfo muito gostosa que aposto que tem uma quedinha pelo Naom, yéah. Afinal, quantos pançudinhos vocês conhecem que tem a cara do Papai Noel e que é um amor de pessoa? s2

    Eu antes só havia jogado rpg pelo orkut, na comu Vivo no faz de Conta. Vez em quando lembro da época do Heart of Fire I e II, que foi uma das melhores histórias que eu e negada já havíamos criado. Diferente do rpg, as histórias não tinham mestre nem dados, eram baseadas em “Continue a História” e era tudo improvisado. Eu, basicamente, adorava ver o circo pegar fogo. Como não tinha como não fazer o que tava escrito, eu sempre deixava os personagens overpower em situações contrangedoras. Não só eu quanto a Kah.

    Lá, basicamente as melhores histórias eram as que tinham as seguintes pessoas: Nani Nani (eu), Shad, Chrno, Kah, Dahaka, Deryu, Mandi e Bryan. Tanto é que eram apenas as nossas histórias que tinham mais de 700 postagens e algumas delas com continuações, como a Heart of Fire (a que mais gostei), Wasted Memories, Irmãos de Aquarius (carinhosamente, IDA) e a Sem Nome que era o Crossover de todas essas.

    Depois da comu ter sido invadida e deletada, eu e a Kah tentamos criar outra “Vivo no faz de Conta”, junto com o Shad e Chrno . Não deu muito certo porque nós éramos os únicos que realmente interpretavam naquela poha e não tinha como reescrever a Sem Nome (na época da comu ser deletada, ela estava em produção e nem conseguimos escolher um nome a tempo).

    Após o incidente, nunca mais joguei rpg.

    Por isso, minha interpretação como anão bêbado ainda tá muito ruim, mas espero melhorar com o tempo. Afinal, adoro personagens away.

    Ah sim, o Naom se parece com esse cara aqui: [clique]
    Só que tem uma carinha mais amigável e idiota.


  • Dinossauro e Urso
  • Eu acho que isso decepciona muitas pessoas.

    Quer dizer, depois de ter me vangloriado que “HÁ! Eu tenho uma amizade aberta com um cara! Tomou no cú, manezão!”…
    Eu acabei explodindo.

    O primo da Sora, num momento de tédio supremo um mês atrás me liga:
    Hey, Roxas, que tá fazendo?
    -Jogando PW.
    Tem anime no seu pc?
    -Tenho Kyo Kara Maou e Shakugan no Shana.
    Tem Blazblue no seu pc?
    -Tem.
    Vou passar aí pra jogar.

    Ele mora relativamente longe, mas nada que um carrinho velho não resolva as distâncias.
    Chegando aqui, fomos procurar um bloco para poder ficar jogando Blazblue, visto que o primo da Sora não pode entrar na República.

    Quando chegamos no bloco, ao invés de ficar jogando, ele veio me falar das fics que estava escrevendo. A mais interessante foi a do Negima e a do puta crossover de bandianimes.

    E.
    Do nada.
    Doki-doki.

    Confesso que já havia sentido “doki-doki” antes, apesar de não saber direito o motivo.
    Da segunda vez que fui na casa dele (antes de começar a ser perseguida pela mãe)…
    Bom…
    Eu gosto de carinho.
    Sou uma pessoa muito carente. Também gosto de peitos, mas isso são outros detalhes.
    E devo dizer que, apesar de vez em quando o primo da Sora falar coisas tensas e que, quando faz carinho, parece estar te assediando…
    Bom…

    FUUUUUUUUUUU~~
    No final, não aconteceu nada naquele dia, como as pessoas daqui estão cientes.

    Entretanto, nessa terceira vez, eu explodi com o doki-doki.

    Sim, foi precipitado. Eu admito que foi. Eu não esperava que…
    Bom, estávamos lá, falando de Code Lyoko ou qualquer outro desenho antigo.
    Não, eu não estava prestando atenção no que ele tava falando. /tenso

    -Não prestei atenção. /come pipoca
    HÃ?!
    -Não prestei atenção. /come pipoca
    Ahhhh, não acredito. Pô, isso magoa as pessoas, sabia?
    – /come pipoca
    Desde de quando não está prestando atenção?
    – Do que você tava falando mesmo?
    POHA!!! *chuta*

    E ele, com bom urso, ao invés de chutar, me faz carinho, tentando descobrir onde sinto agonia.
    Eu gosto de carinho, poha!

    -Como você quer que eu não pense sobre isso?!
    Ah, desculpa. Eu gosto de fazer carinho. /bico

    Eu estava alterada. Tava lôca também. Arg.
    A ponto de eu ficar off.

    Já nem tava ligando que tinha um joelhinho de 8/9 anos preso naquelas barras/escadas/não-sei-o-nome-daquilo no parquinho. Tava, simplismente, off.

    A ponto de, do nada, o pedir em namoro.
    É, fiz de novo.
    E, nessa hora, eu ligo. Fico on e falo “Puta merda, o que foi que eu falei?”. Minha primeira reação é pânico. Estava precipitada, não tinha certeza se gostava dele ou não, gostava de sair com ele e com meus amigos porque ele é o meu amigo, mas isso não queria dizer muita coisa.

    Fuuuuuuu~~

    Peço desculpas, pego minha mochila e…
    Aí ele me segurou e me beijou.

    -Hein?

    Não esperava. Foi apenas um selinho rápido, a ponto de eu nem ter pensado pra fechar os olhos. Só sei que, quando acabou, eu fiquei lá, parada.
    Depois, consegui analisar minha situação:
    Estava parcialmente deitada no colo dele, segurando minha mochila com uma mão e o pescoço dele com a outra. Ele estava me segurando pela cintura e, como uma pessoa com uma diferença de uma régua de mim, estava muito curvado.

    -Hein?
    Ah, desculpa.
    -Bwá…

    E… Bom… Parece que isso foi um “sim” a minha pergunta precipitada.

    E… Não foi de todo ruim… É…

    Tem certeza que é isso que você…?

    Aí, bom, outras coisas aconteceram. Não, sem sexo debaixo do bloco, mas outras coisas aconteceram pra eu interromper a frase dele.

    Bom, agora tenho motivo pra ser perseguida pela mãe dele. /risos


  • Dia do basquete
  • Agora tenho 19 anos e não sinto nada de diferente.
    Só que meu aniversário teve coisas além do que eu esperava.
    Primeiro, o Hugo passou o dia inteiro comigo.
    Não, ao contrário das pessoas, eu não tenho o costume de passar o dia inteiro com uma pessoa. Ele me levou pro Luck Strike (não o cigarro, o boliche), convenci-o de jogar pump it, ensinei-o a jogar guitar hero (mas ele joga de canhoto sendo que é destro) e, um dia antes, ele dormiu aqui.
    Foi muito legal até.

    Segundo é que nunca recebi TANTAS plaquinhas num único dia. Me senti muito amada. Muito obrigada à todos. <3


    Vou deixar em ordem alfabética.


    Espero que todos tenham aproveitado o dia do basquete tanto quanto eu aproveitei.

    Só senti falta de uma coisa: não recebi minha máscara de dinossauro.

    Para finalizar, vou deixar aqui a gravação que a Nami fez e que já tinha mostrado pra todo mundo antes.
    E outra, Nami: adorei sua guitarra.

    [EDIT]
    ASOKAOSKAOSKAOSKOAKSOAKSOAKSOAKS

    É O LULU COM MÃOZINHA DIVA!!!
    Olha o lay que a Sofi desenhou pra mim!!1!

    [/EDIT]

    I still live in a Perfect World

    Depois de um mês, eu tenho coisas pra contar.
    A primeira: Desconsideraram meu trabalho do Labirinto
    Sim, eu fiquei muito puta. Na verdade, eu havia achado tão gracinha aquele meu trabalho, do último post, funcionando, que todo mundo viu o quanto que eu tava eufórica.
    -Olha! Olha! Meu labirinto! *w*
    Como ele funciona?
    -Ah! Ah! É só desenhar um labirinto qualquer no bloco de notas que ele mostra o menor caminho! Sempre! Sempre!
    Roxas, você está descontrolada
    -Mas… Mas… Ele funciona!!
    E, como eu fiz o trabalho no Windows, era óbvio que compilava no Windows.
    E testei no Linux, e mostrei prints aqui no blog.

    No último dia de aula, eu vi lá no Moodle que meu trabalho foi desconsiderado porque não compia.
    Se eu soubesse que o compilador que eu uso era o errado só porque eu li num dos livros que eles mesmos recomendaram (e, só pra citar, o livro qual Qui-Gon está escrevendo), eu nunca usaria sapoha de Cygwin.
    Mas desconsiderar meu trabalho só porque eles usam Codeblocks e eu não?

    Eu fiquei muito, muito puta. Foram os trabalhos que mais me diverti fazendo. (E, o melhor, eu fiz rodar no Linux E MOSTREI PRA PROFESSORA QUE COMPILAVA)
    Mas, acabei passando em CB, final das contas. Ainda bem, caso não, sangue iria aparecer jorrado no chão.
    E não seria o meu.


    Ah sim, estou de férias.
    FÉRIAS!!1!
    FÉÉÉÉÉÉRIAS!!!

    E estou mais cansada que a época em aulas.

    É bizarro. Quanto mais tempo passo na cama, mais sono eu sinto.
    E o pior é que não tenho preconceito com cama. Seja qual for, se eu deitar, sinto a mola magnetizada me puxando.
    Hoje mesmo eu iria sair pra almoçar com a Sora.
    Aí, okay.
    Fui dormir umas 6:00 por causa das preparação do churrasco do Onigiri.

    Segundo a Sora, ela me ligou meio-dia perguntando se queria almoçar com ela e eu disse boa noite duas vezes. Após isso, desliguei o telefone.

    Quando acordei, às 15:00, pensei que simplismente dormi demais e não consegui almoçar com a Sora. Quando estava indo pra comercial achar um lugar pra comer, ligo pra Sora e ela me conta que me ligou.

    Aí eu cheguei lá e ela me alimentou com comida caseira feita por ela mesma. <3

    Leve impressão que sou sonâmbula.


    Ah, eu dormi na casa de um cara.

    Após o troço lá do mangá, o primo da Sora convidou-me pra dormir na casa dele.
    Eu, sem maldades, aceitei.
    Aí, ele me jogou no carro e foi correndo pra casa dele.
    Chegamos umas 21:00. Lá, fomos direto pro quarto dele.
    E ficamos acordados até umas 6:00 jogando Blazblue.
    Nós, cansados, fomos dormir.
    Dormir.

    Sim, sem sexo!
    Uma guria de 18 anos dormiu na casa de um cara de 18 anos, no quarto de um cara de 18 anos, no mesmo quarto em que o cara de 18 anos estava dormindo e não teve sexo!
    Não teve!

    E ainda, no dia seguinte, comi comida caseira.

    Contei o episódio pros meus pais e ambos riram. Disseram que isso só acontece com os otakus mesmo.

    Teve outro dia que dormi na casa do primo da Sora. Neste dia, dormimos mais cedo, no mesmo quarto de novo. Estávamos vendo filmes estilo sessão da tarde, pois eram toscos e nós cagávamos de rir.
    E não! Não teve sexo de novo!

    E não posso mais ir na casa dele.

    Com o que ele me contou, ele disse que é porque todo mundo estava achando que éramos namorados. E a fofoca, segundo a própria Sora, corre solta pela família. Tinha uma que falava que eu estava saindo muito com o primo da Sora, chegando até ir no cinema e coisa e tal.

    Pra falar a bem verdade, eu não sei o que pensar sobre este assunto. O primo da Sora não é bem uma pessoa por quem eu me apaixonaria. Nada contra ele; na verdade, uma coisa que até gosto dele é que ele dá muito carinho pras pessoas. Outras podem pensar que o carinho é assédio, mas, com o tempo, a gente se acostuma com o excesso de amor sem passar a mão em partes íntimas.

    Bom, deixa pra lá. Sou insensível em muitas vezes, a ponto de ser bizarro. Todo mundo concorda que duas pessoas heteros não podem dormir no mesmo quarto sendo que são apenas amigas.
    Como eu sou bi, esta regra é aplicada em parte, então abaixo a cabeça com a decisão. Mas entendê-la é outros quinhentos.



    Teve um episódio hilário do Onigiri que tenho que contar no meu ponto de vista.

    Estava uma tarde calma, tranquila e abafada. Vou passeando nos blogs do Onigiri e me deparo com o bloguinho Onigime. Nenhuma notícia nova, nem nada interessante até que…
    -ÓH!!! Mas é a página de doação de icons do Onigiri!

    Aí eu falo com a guria que a página era muito semelhante com a página de Doação de Icons do Onigiri, até porque a Nany ou a Raven não iria doar seus icons pra alguém que acabou de começar a montar um blog. Sem falar dos icons característicos da Koy.

    A guria ficou louca. LOUCA!
    Xingou deus e o mundo, xingou a Val, xingou a Roxas.
    Foi muito hilário.
    Como todo mundo sabe, fora do Onigiri, eu me fakezeio[?] de Roxas, porque é um apelido que gostaria de ser chamada, mas é uma tentativa frustada.

    Você é a Sii, Roxas.
    É sério, isso foi muito hilário. A guria depois excluiu esse blog. Só por diversão, me envolvi no caso da Sai sendo fakeada por alguma alma maligna e investiguei quem poderia ser a fakiadora.
    Foi muito imbecil descobrir que era a mesma guria do Onigime. Bastou eu dar uma olhada no painel de controle da c-box do Onigiri.
    Aí o pau comeu, quebra quebra, blogs excluídos e risadas espalhafatosas pelo chat.

    Sim, foi muito divertido.


    Leve impressão que esqueci de alguma coisa…

    Mas num lembro o que era. Hmmm…

    Oi, Pinguim!

    Demorei tanto pra editar o último post que decidi fazer um novo /risos

    Mas, voltando àquele post:
    Agora entendi o porquê Qui-Gon chamou-me a atenção sobre minha nota no trabalho 2.
    Eu não tirei uma das 10 piores notas no trabalho.
    Eu tirei a pior nota.
    Tanto nesse trabalho quanto na prova de CB.
    É aquela coisa: CB não é difícil. O que eu aprendi com ele e com a professora mesmo… Cara, é tudo muito tranquilo; se não fosse, eu nem consegueria fazer os deveres direito.

    Mas, é aquela coisa: estou bem acostumada a tirar notas baixas; nada muito diferente do Sigma. Só que, no Sigma, me passavam de ano por me acharem uma aluna esforçada. Não creio que esforço seja levado em conta na universidade, então, rodei CB.
    Mas, uma coisa me deixou mais chateada do que me ver como a pior da turma: a professora falando isso.
    Acho que deve ser o método dela pros alunos sentirem vergonha e começarem a estudar. Mas, pô, eu estudo. Sou uma das poucas alunas que entrega todos os deveres. Todos.
    Não precisava ter falado que muitos alunos foram abaixo do esperado “Né, [fala o nome dos dois piores, um deles sou eu]
    É claro que eu fico com vergonha de tirar notas baixas. Não sou do tipo fanfarrão, não falo na sala (e em lugar nenhum /risos). Pergunto somente quando estou com dúvida mesmo (isso se a pessoa do lado não souber também).
    Poha.
    Não precisava ter me exposto assim. Já me sentia humilhada o suficiente (tirar uma nota menor que a do Jon Antilhes foi… Extremamente humilhante, devo dizer).

    E acho que rodei Cálculo. Eu num tenho nada contra a matéria (na verdade, a única matéria que abomino é Química, mas que bom que eu não a tenho). Não acho tão TÃO TÃÃÃÃO difícil assim. É complicadinho e, como não sou auto-ditata, tem muitas coisas que eu num pego com facilidade e a monitoria de Cálculo é só das 19:00 às 20:00, horário muito contra-mão pra mim e pras minhas caronas.
    Sinto falta dos Plantões de Dúvidas do Sigma. Talvez só me achavam esforçada por eu, praticamente, morar lá.

    E acho que rodei Física. Odeio cinemática, isso é fato. Num gosto de vetores nem de bolinhas e suas velocidades. Mas num é grego, tem uma certa lógica.

    E acho que rodei Física Experimental. Nada faz sentido naquele troço. Nada! Cálculo de erro, não importa qual erro, é algo muito disconexo!

    O que? Vou ser caloira semestre que vem de novo, exceto em LPT e inglês?


    Uma coisa que acho impressionante no Onigiri… Os moradores.
    Na Gincana do Onigiri, em que os desafios eram difícieis, eu pensei mesmo que ia ter desistência de certas pessoas e talz. Mas, ainda assim, muita gente participou e com afinco.
    Quando eu errava as contas na tabela de pontuação, pensei que nego ia arrancar meu couro e tudo mais, mas até que foram compreensíveis e danaram a rir.
    Quando saiu o resultado, eu pensei que muitas pessoas iriam ficar decepcionadas e talz, xingando meio mundo porque trabalharam duro e acabaram perdendo… Mas, não! Na verdade, eles parabenizaram os vencedores e acharam uma vitória justa!
    Cara, eu fico chocada e sinto inveja dos moradores. D8 É quase uma sociedade utópica aquilo lá.

    Eu e a Kih andamos conversando sobre o quão difícil tá pra gente cuidar de todo o Onigiri sozinhas. Aí decidimos meio que fazer uma eleição para monitor do Onigiri. Acho que nos aliviará bastante se uma terceira pessoa (que muda periodicamente) cuidar de umas das páginas que mais precisam ser cuidadas: Porta ao Lado.
    Na verdade, o monitor cuidará somente dela pra não ficar sobrecarregado, enquanto eu e a Kih pensamos numa maneira esperta de se ter um armário.
    E pensamos no Onigiri Wars.
    E terminamos de consertar os freelayouts doados.
    E sabe o que está acontecendo? Blogs de campanha para ser monitor.
    Achei simplismente fantástico e morri de inveja de novo. xD


  • Matei o Windows
  • Sim, eu literalmente matei minha partição do Windows, sobrando-me apenas a do Linux. Eu estava muito curiosa pra saber no que mais o Cygwin podia fazer e comecei a escrever aleatoriedades, procurar no Google sobre outros comandos bizarros e…
    E…
    Bom, aí eu deixei meu computador possuído por uma força do mal, travou completamente e tive que reiniciá-lo no braço.
    Quando reiniciei e voltei pro Windows, apareceu uma tela esquisita “O Windows não conseguiu inicializar normalmente. Consertando erros“.
    E mais coisas bizarras começaram a aparecer e…
    E…
    E AÍ O AZUL DA MORTE!!1!

    E aí eu corri pra minha partição do Pinguinzinho. Não, eu não traí o movimento, eu só…
    Bom…

    O QUE? É ASSIM QUE A GENTE APRENDE A MEXER NAS COISAS!!1! NÃO É CULPA MINHA!! OwÓ

  • Você saiu do Labirinto no Windows
  • Uma das alegrias dos calouros do CIC é ver o Trabalho 3, que é uma espécie de jogo, funcionando.
    O deste semestre era fazer um simulador de labirinto, em que o usuário grava num arquivo texto qualquer labirinto e nosso programa tinha que mostrar o menor caminho E FAZER O BICHINHO ANDAR pelo menor caminho.
    Vou falar pro monitor que irá corrigir esse trabalho que meu programa funciona perfeitamente bem no Windows. Acabei de ver que, no Pinguim, ele buga numas partes estranhas.
    Mas… Mas… *w*
    Olha aqui ele dizendo oi pra você!
    Olha ele te mostrando o menor caminho!
    ESTÁ VIVO!!1!
    Deu muito trabalho pra fazer, mas foi tão… Tão… Emocionante vê-lo vivo… *cry*

  • Roxas procurando músicas no Youtube
  • O que? Eu realmente não sou fã de músicas mesmo.

    Pra fazer os deveres, eu sempre ligo o pc, coloco fone e faço aqui no quarto mesmo, ouvindo Rádio Blast.
    Teve um bloco, que não sei o nome nem sei o locutor, que me chamou a atenção.
    Vi lá na rádio que música tava tocando e digitei no Youtube listas de reprodução daquela banda.
    O nome: Nightwish.

    Pelo o que me falaram, estou do gostando do mais pop do metal (acho que se chama Metal Melódico, mas não estou muito interessada nisso). Pô, achei tão legal aquela mulher com um puta vozeirão “The Phantom of the Opera” e… E…
    Vocaloid pra sempre. É único que me motiva a fazer cambiarras e entrar no NicoNico procurar novas músicas e procuras novos animes de 5 minutos.

    É. Ouvindo e procurando músicas de Nightwish. Das listas de reprodução no Youtube, tenho escutado muita música repetida. D8 Que saco.


    O Keshigomo está com uma coleção de layouts na página principal! xD O último que ganhei foi da Julia e achei muito gracinha. x3 Não entendo porquê esses nekos me lembram Lamento, um jogo yaoi.
    /risos
    PS: Eu vou responder os comentários assim que o fim de semana chegar. Segurem a peteca.

    Feliz dia de Akuroku


    E o motivo que não postei ontem propriamente dito foi porque eu estava aproveitando o dia para viadage.

    É!! AKUROKU!! FELIZ DIA DE AKUROKU, PESSOAS!!!
    Para os hereges, vou explicar porquê o dia de Akuroku cai em 13 de Agosto.
    Axel é o número 8 da Jyuusan Kikan (Organization VIII).
    Roxas é o número 13.
    No Japão, o mês vem antes que o dia, portanto, ontem foi lido como:
    2010/08/13
    2010/Axel/Roxas
    2010/Akuseru/Rokusasu
    2010/Aku/Roku
    Yey! Espero que tenham aproveitado seu dia de viadage.

    Eu, pelo menos, pintei um desenho de Akuroku muito lindinho de umas das minhas artistas preferidas, a Nijuuni.
    E eu até falei com ela, sabia? Perguntei se podia postar o desenho de Akuroku dela pintado por mim.
    Mas, sabe o que aconteceu? *w*
    Ela me ignorou e não disse nada. CARA, EU FUI IGNORADA PELA NIJUUNI!! ELA SABE QUE EU EXISTO!! *dead*
    Aí eu postei o no DA mesmo assim, feliz da vida!
    Ahhhh…
    Mais alguns passos, e um dia eu consigo dizer pra I’ll be Waiting que eu a idolatro como deusa grega. Óh!

    Eu realmente ia pintar um dos meus doujins preferidos, o Colorfull Sky (doujin lemon de Axel, Roxas e Sora) e fazer icons de algumas cenas.
    Mas está tarde e hoje ainda tenho aula.
    Bom! É Akuroku day! A professora vai me perdoar por não ter feito o dever de japonês.


    Tem ainda coisas que quero falar neste post, mas dou-lhe um edit mais tarde.
    Quero falar de outra coisa.

  • Eu e minhas recaídas e indagações filosóficas.
  • Porque mesmo que eu havera prometido não pensar mais em certos assuntos, em momentos de ócio ou tensão, eu volto a refletir sobre.

    Uma das minhas recaídas foi sonhar com a XX novamente.
    Na verdade, tem muitos dias que venho sonhando com ela. Não como meus sonhos eróticos que nem o do Rei das Succubus, mas ainda assim com outros sentidos.
    Tipo, quando estávamos juntas, eu havia falado de brincadeira que, se tudo der errado, nós fugiríamos pro Chile no Ricardão (meu fusca rosa) junto com todo o resto da família do Sigma (pelo que me lembro, acho que tinha 2 filhas e um animal de estimação. Só não cito nomes porque é vergonhoso pra essas pessoas).
    Mas o mais estranho é que já desencanei há muito tempo que, quando estávamos juntas, ela tinha vergonha de mim por eu ser mulher, a tal ponto que meus amigos me davam mais carinho pra mim que ela.
    Também quando vou numa livraria, pergunto-me se a XX já havia lido o livro que estava procurando.
    Bom, ainda somos amigas, mesmo não nos encontrando muito no MSN.

    Uma das minhas ingagações é decidir meu sexo.
    É simplismente inacreditável. Tem dias que acordo falando “YEY! Sou hetero!”. Outros dias, “YEY! Sou gay!”.
    Tá, isso num é bem uma recaída. Talvez seja uma confusão na minha cabeça.
    Mas sou muito feliz sendo um bonequinho de The Sims, obrigada.

    Outra coisa que tenho pensado é de chutar o balde e dizer que você é um stalker, já que não disse antes.
    Você sabe que estou falando de você. Não você, outras pessoas.
    Você, você aí que sei que lê meu blog também.
    Bom, como tô virando a macaca aqui no blog, tão vou deixar todo mundo que se interessa pela minha vida sabendo.
    O senhor tem namorada. Em hipótese nenhuma o senhor deve sentir “ciúmes” DE MIM por eu conversar com outros caras. Saiba que isso me deixou bastante pertubada. Na verdade, acho repugnante que o senhor tenha sentido isso namorando outra pessoa. Como fica a situação dessa menina? Nessas ocasiões, o senhor deve pensar APENAS na pessoa que disse “eu te amo”! Ou o “eu te amo” pra ela foi falso?! Isso é uma atitude horrível, deve-se envergonhar disso!
    Eu sou mais desligada do que você pensa. Eu realmente “não mexo o cabelo” para seduzir, e sim pra desembaraçar os nós. Sou mais anti-social que imagina, então eu realmente não me encomodo de andar pela UnB sozinha.
    Não como doces, não como comida natural, não faço tipo “lobo-solitário”, não faço tipo “kawaii”, não faço o tipo “forte”… Não faço NADA do que você imagina que faço. Com certeza, o senhor se enganou a meu respeito.
    Quando eu estiver indo embora das aulas, não me siga.
    Mesmo.
    Eu estou ficando irritada com esta situação. O senhor realmente está aparentando que quer se aproveitar de mim. Mesmo não tendo falado isso e ter negado várias vezes, não é o que está aparentando.
    Eu gosto de ajudar as pessoas, isso é fato. Quando ajudá-las NÃO for me atrapalhar. E o senhor sabe que já foi encômodo em várias situações.
    Então, que a conversa de ontem não se repita. Nem a situação.
    Boa sorte com os estudos.

    Também tenho pensado em como uma amiga me definiu: um cachorro.
    -Um cachorro? Puxa, mas eu imito tão bem um dinossaurinho de bracinhos curtos..!~~ Por que acha que sou um cachorro? i_i
    Ahhh… Roxy… Porque você é fiel… Obediente… Uma gracinha… Rosna pra desconhecidos, mas vira a barriga pra cima pro dono e amigos…
    Só que dá um puta trabalho pra cuidar.

    -Ahh… Au au.

    E estou começando a achar que essa pessoa que me disse realmente está certo. Sou obediente e fiel, como qualquer cachorro idiota é.
    Já tive várias vezes de ignorar a “ordem” que me foi dita pra fazer aquilo que quero. Já tive muita, muita, muita vontade mesmo de esquecer o que me disseram e fazer o que quero, não necessariamente o certo.
    Mas eu sou um baka inu, que nem o Saito, de Zero no Tsukaima.
    Quando fico divagando e andando na UnB, indo pro FT pra usar o wireless dali, raramente encontro o Qui-Gon no caminho.
    E já tive muita, muita, muita vontade de dizer um “Boa tarde” ocasional, mas eu simplismente sigo a ordem de não ser mais amiga dele.
    Talvez se eu voltasse a falar com toda educação com ele de novo (“bom dia”, “boa tarde”, “pode me ajudar em tal matéria?”), provavelmente eu ia acabar perguntando “Mas, diga, truta, o que pescou hoje? Você está em paz? Vamu comer TÊ-MA-KI!!1!” como eu falo pros meus amigos mesmo.
    E isso ia ser um problema pra mim e pra ele.
    E então, eu simplismente baixo a cabeça e fingo que não o vi, continuando meu caminho.
    É um pouco cruel isso comigo.

    Quinta feira teve aula prática de CB e, lá estava eu, encucada com meu trabalho. Outras pessoas também tavam encucadas com os trabalhos, por isso pediam ajuda dos monitores. Só faltava uma coisa idiota pra eu terminar meu trabalho, então não precisava tanto da ajuda dos monitores.
    Quando a aula acabou e estava saindo da sala:
    Senhorita? Falou com a professora sobre seu trabalho 2?
    -Ah. Não vi necessidade. Achei a nota do meu trabalho bastante generosa pelo tanto de erro que cometi.
    E realmente não tinha necessidade. Se eu reprovar em CB, a culpa será totalmente minha for falta de capacidade. Minha nota foi bem baixa e, pelo Qui-Gon tendo me dado a recomendação de falar com a professora sobre o trabalho (que seria para pedir retirar o atraso e aumentar um pouco a nota deste), eu provavelmente tirei entre as 10 notas mais baixas do trabalho 2.
    Mas, se for pra reprovar em CB, reprova por outras coisas, não por atraso! Sua nota podia ter sido melhor!
    -Estou me esforçando no trabalho 3, então tento recompensar a nota.
    Mas, se sua nota for alta no trabalho 3 e 4, pode pedir pra professora reconsiderar os atrasos. Não desanime!
    -Estou me esforçando!
    E eu percebi que estava conversando ocasionalmente. Acho que falei o “estou me esforçando” (ou algo do tipo, não lembro com todas as palavras exatamente o que falei) como anime, então, estava sendo amigável com ele.
    E isso era um problema.
    E minha atitude foi baixar a cabeça, dizer “com licença” e sair andando o mais depressa possível dali.
    Sabe, me senti muito mal depois. Nunca pensei que fosse passar por essa situação: eu não odeio a pessoa, eu tenho quase certeza que a pessoa não me odeia… E não podemos ser amigos.


    Espaço reservado pro resto do post 8D