Star Wars

Olá, pessoas! Keshigomo de volta no meu domínio! õ/
Ahh… O motivo de eu ter demorado tanto pra comprá-lo é que meu pai nunca liberava o dinheiro.

Mas, enfim! Ao invés de eu começar a escrever um enorme pedido de desculpas da minha demora, vou logo pra parte que importa e que tem me atormentado desde que a greve da UnB tinha começado. Porque o bom de um blog é justamente este espaço pra gente soltar a franga.

O título deste post sugere muito o assunto dele. Meus amigos mais íntimos já conhecem, então, sobre o que (ou sobre quem) eu irei falar aqui. E, provavelmente, mesmo quem não me conhece chegará a mesma conclusão.

Quando a greve da UnB tinha começado, um dos nossos monitores de Computação Básica, que o chamarei de Qui-Gon Jinn, havia ficado com muita pena da gente.
Ahhh!! Eles chegaram na UnB todos aspirantes do saber e se deparam com uma greve? Bwááá… Vou ajudá-los!
E assim Qui-Gon começou a nos dar aulas opcionais. Nas primeiras aulas, iam umas 40 pessoas, todas aspirantes a saber. Como eu tava (e estou) morando perto da UnB, eu ia todo dia pra estas aulas (e ainda aproveitada e usava a Internet!).
Confesso que era cansativo ver a história do computador, ou fazer algoritmos de trocar lâmpadas, ou algoritmos de fazer a média aritmética e coisa e tal, mas continuei indo. Muitas pessoas foram feridas pela greve e acabaram ficando pra trás.
Pobre almas.

Mesmo com muitos alunos parando de ir nas aulas opcionais de Qui-Gon, ele continuava sempre agradecendo a vinda de todos que iam à aula dele. E sempre nos mandava emails avisando quando era a próxima aula e tudo mais.
Qui-Gon trabalhava muito mais que um monitor deveria trabalhar. Puxa, cara aplicado!

Nos emails de Qui-Gon, ele sempre deixava claro que, quando alguém tivesse dúvida, poderia mandar um email pra ele perguntando sobre a matéria.

Certa vez, eu me deparei com um exercício chato de se fazer e bem enjuado de se resolver. Aproveitando o fato que Qui-Gon sempre falava “qualquer dúvida, mande um email!“, Roxy mandou um email pra ele.
Fui respondida no mesmo dia. “Puxa! Cara prestativo”, pensei.

Nessa época, eu não tinha internet aqui na República, então ia todo dia pra UnB, tendo aula de CB ou não. Afinal, eu sou nerd e nerd gosta de pc COM INTERNET.
Roxy senta no seu cantinho de sempre pra usar o computador e a internet ilicitamente, dependendo da bateria do note.
Ué? O que faz aqui hoje, senhorita?“, pergunta Qui-Gon.
“Ah! Monitor. Bom, estou usando a internet, já que onde moro não tem internet.”
Não tem? Nossa! Isso é muito triste.
“É, na República a síndica ainda tá colocando internet empresarial e tal… Tá o maior rolo.”
Ah, por que não usa o Laboratório de Informática?

E foi aí que comecei a ir, todos os dias, pro Linf. A tia da recepção já até decorou meu nome e tenho a suspeita que sabe quem sou eu pela matrícula também (afinal, não é qualquer aluno que tem 666 na matrícula).

Bem, depois de finalmente passar a parte chata das aulas opcionais, finalmente programar alguma coisa! É! Programar em C, yey!
Mas, nisso, só sobraram 7 alunos.
Os setes alunos do Obi-Wan. /título de filme

No começo, era muito difícil. Um dos 7 alunos do Obi-Wan, o Jon Antilles, já sabia a programar antes de ter entrado no curso, então, pra ele, continuava muito fácil.
Desgraça.
Não era pra ser tão difícil. Pra compilar aqueles troços foi uma dificuldade! Pra eu saber o que era compilar, vala-meGM! Pouha!

Mandei várias emails pro Obi-Wan perguntando como fazia aqueles troços. Muitas vezes ele se via obrigado a ir no Linf me buffar, porque minha situação sempre era temça.
EU NÃO TENHO CULPA!! NÃO SABIA MEXER NO MS-DOS-PAWAA-UP! /lê-se: Cygwin.

Como estava mandando muitos, muitos emails chei’ de dúvidas n00bs pro Obi-Wan, além das aulas, quando a gente se encontrava, a gente falava sobre outros assuntos também: como a greve, como o trânsito, como carona.
Carona?
A senhorita gostaria de uma carona pra casa?
“Não, não, quiçu. Eu moro aqui do lado, nem precisa.”
Mas já são 18:00 [hora que a aula dele acabava], e não é problema algum pra mim.
“Não, não, não precisa, ainda tá claro.”
A senhorita mora aonde?
“Aqui do lado, já disse. D8”
Tem certeza que não quer uma carona?
“Bah, já que insiste tanto, eu quero. u^u”

O que? Era realmente estranho aceitar carona do monitor. Até porque eu não gosto muito de carona. Hmmm…

Onde a senhorita vai jantar?
“Ah, desde que saí de casa, eu não janto. Como biscoito.”
A SENHORITA NÃO JANTA?!
“Não. *emoticon de comendo pipoca*”
Como assim? Pessoas morrem se não jantam.
“Bah, besteira.”
Não, eu, como monitor, devo prezar pela saúde dos meus alunos. A senhorita vai jantar.
“Eu vou?”
Vai. Tem algum lugar que gostaria de jantar?
“Não, eu não costumo jantar.”
A senhorita gosta de comida japonesa?
“Ah, nunca comi uma decente.”

Aí o Obi-Wan me levou num restaurante japonês. E eu percebi que gosto de salmão! Crú! Dilícia! *w*
E foi a primeira vez que alguém me convidou pra jantar. E ainda NÃO me deixou pagar pela comida, que absurdo!
Apesar que, no fundo… Bem no fundo… No fundo do fundo… No abismo da minha alma.. Meu lado Kyouya gostou de ter comido de graça.

De qualquer maneira, começou a virar habitual o Obi-Wan me dar carona pra casa, que ele insistia em dizer que fazia parte do trajeto da casa dele.

Teve um dia que ele me chamou pra sair em um fim de semana. Nós tivemos um passeio nerd (vai na Cultura ler livro/mangá) e depois no Casa Park e fomos ver “Como treinar seu Dragão” em 3D!!1!
Pena que não consigo ver o efeito 3D e filme nenhum.
Quando todos tão “OHMEUDEUS! O DRAGÃO TÁ VOANDO EM CIMA DA GENTE!! DDD8!! *põe a mão na cabeça*
Roxas está: “8| *braços cruzados esperando o bicho sair da tela*”
E até Obi-Wan fez facepalm porque Roxy não conseguiu ver o filme em 3D.

Depois disso, em outro fim de semana, Obi-Wan convidou Roxy pra assistir uma maratona de School Rumble na casa dele. Roxy achou divertida a ideia, já que fazia tempo que não via animes.

Por alguma razão, quando recebi este convite, eu fiquei extremamente feliz. A ponto de ficar dando pulinho gays, sair muito tempo antes do horário marcado e ficar esperando-o…
Aquela sensação que não sentia desde quando XX mandou sua primeira carta pra mim. Aquela carta que me fez apaixonar pela XX.
Mas, controle-se, Roxy! Você não o conhece a tempo assim! Ele deve fazer isso com todo mundo, ou está com pena por eu não ser muito sociável na UnB.

De qualquer forma, não fiz nada muito suspeito neste dia. Passei o dia inteiro com ele, mas creio que não dei nenhuma recaída. Pareceu dois amigos saindo juntos pra marcar um duelo de Magic no meio da calçada.

ROCSSÁS, VOCÊ ESTÁ ME TRAINDO!!1!1!!
“SORA, ESCREVA MEU NOME CERTO!!1!”
Sora era a pessoa quem ficava me flagelando falando que eu estava sim apaixonada. E falava pra eu parar de tingir o cabelo de loiro e falar com Obi-Wan, pra eu mostrar quem era o macho na relação.
“MAS, SORA, EU NÃO ESTOU APAIXONADA POR ELE!”
ESTÁ SIM, ROCSSÃS FERNANDES DA SILVA!!1!

Eu falava que não. Não o conhecia a tanto tempo para poder afirmar algo sério como esse. Mas, quem falasse comigo e perguntava quais eram as novidades, o assunto sempre acabava indo para no Obi-Wan e as aulas dele.
Qualquer pessoa que me perguntava o que eu tinha feito naquela semana, eu falava que tinha ido às aulas do Obi-Wan e saído com ele.
Qualquer pessoa que perguntava quem era Obi-Wan, eu começava a escrever em Caps Lock.

É, eu havia me apaixonado. Não sei bem o motivo. Não sei se ele quis me comprar quando quase me deu um mangá, não sabia se ele saía com todo mundo daquele jeito, sendo um nerd pop…
Mas eu estava gostando muito daquilo.
Obi-Wan não é bonito. Obi-Wan não é o cara mais rico que conheci. Obi-Wan podia ser muito, muito inteligente, um gênio, praticamente, mas não a pessoa mais inteligente que conheci. Não faz piadinhas sempre. Não fala muito (o que, pra mim, é ruim, já que não falo muito também e fica aquele silêncio por um tempo).
Mas é muito, muito, muito gentil. Nunca vi isso como uma qualidade que me chamasse atenção, pra falar a verdade.
Ele também é um pouco esquecido. É até bonitinho quando ele esquece onde estacionou o carro.
É bonitinho também quando ele se empolga com matemática, mesmo eu nunca conseguindo acompanhar o raciocínio.
E eu sempre ficava muito feliz quando ele me chamava pra jantar, mesmo eu não sentindo fome.


Eu quis mais desses dias. Sou egoísta demais para esperar um tempo pra poder falar que estava apaixonada. Pessoas não podem se apaixonar mesmo não completando “X anos que gosto de Fulano”? Não foi amor a primeira vista. Não foi atração.
No final, foi só egoísmo mesmo.

“Obi-Wan, tenho uma coisa pra te contar.”
Não sabia que seria tão difícil falar isso pra ele. Eu normalmente tomo a iniciativa nas relações [É, mostra quem é o macho! òÓ].
Desta vez eu tava tremendo.
“Eu gosto de você.”
Pronto, coloquei tudo a perder. Não lembro muito do que ele estava dizendo na hora, nem sei se tinha a ver com isso ou não, mas agora, como nas outras vezes, eu iria perder a amizade de quem considerava muito importante.
“Mas, não se preocupe, eu não farei nada de diferente! A gente pode continuar sendo amigos… Quer dizer, eu quero que a gente continue sendo amigos, mas…”
Eu também gosto da senhorita.
Foi só o que precisei ouvir. Ele disse que estaria muito ocupado naquela semana e na outra, mas ele disse que gostava de mim.
Eu não me importava quanto tempo ele pedisse pra poder organizar a vida dele. Ele disse que gostava de mim, foi o suficiente pra me deixar aérea.

Sim, eu tinha ficado muito feliz. Tão feliz, tão feliz! Como eu sempre sou gay mesmo, por que não fazer coisas gays já? Eu, que sou uma ignorante em música, comecei a aprender a tocar violão. Provavelmente eu iria demorar bastante pra finalmente poder tocar alguma coisa, talvez um 3 meses, que as pessoas normais consideram um tempo razoável para se fazer essas coisas gays.

Bom, como eu também tinha pedido ele em namoro naquele dia, agora, como namorada, eu poderia ficar mais tempo com ele! Poderia ajudá-lo com os assuntos pessoais dele também, já que ele sempre parecia estar ocupado. Então, se eu o ajudasse, ele ia ficar com mais tempo livre, aí a gente poderia sair mais para curtir o ócio!

Quando eu perguntava sobre o que ele estava organizando, ele sempre ficava muito estressado. Talvez era sobre um assunto muito, muito sério, que eu não poderia perguntar agora. Não deixei de ficar preocupada, mas parei de perguntar sobre o que era. Como eu não podia ajudá-lo nos deveres (mei’ óbvio o motivo), eu me preocupei mais em poder ajudá-lo a descansar. Quem sabe emails com tags inúteis, ou mesangens sobre as minhas aventuras em Brasília não o animassem um pouco? Bom, eu sempre contava de forma idiota, então, se ele não risse do conteúdo das mensagens, riria da minha cara de bêxta dizendo o quão mágico foi achar o Mc Donald’s sozinha.

Na estreia de “Alice no País das Maravilhas”, sexta feira, eu já havia falado com ele que iria ver o filme, em qualquer cinema. O convidei, claro. Ele achou uma boa ideia.
Quando estava chegando na UnB usar a internet, ele me ligava perguntando “Senhorita, onde você está?“, “A senhorita já está chegando?” e essas coisas. Estava achando bonitinho isso.
Preciso falar sobre um assunto sério com a senhorita.
“Pois não?”
A senhorita se perguntou o porquê eu pedi essas duas semanas?
“Bom, como você parecia estressado quando eu perguntava, eu parei de pensar sobre isso. … *O* Agora posso finalmente te ajudar nisso? *–*
Ahhh… Bem, sobre isso…

Como ele pediu pra não contar pros outros sobre este problema, então devo ficar na minha.
Mas sabe aquela sensação de “O que eu fiz de errado? O que faltou eu fazer?
Na verdade, eu me senti muito, muito mal quando ele disse que tinha que terminar comigo. Eu realmente sou esquisita pra caramba, vou mesmo de pijama pra UnB, tenho um cabelo esquisito, não sou inteligente, não tenho progesterona, sou infantil prapoha…
E não sou o suficiente.

Nesse dia mesmo, eu perdi minha honra e minha dignidade. Abri a berrera, várias vezes (e ainda por cima na frente dele!). Ele havia dito que o aniversário dele era no Domingo e disse que não era recomendável eu ir, pois iria me machucar ainda mais.
Quer dizer, eu nem podia mais passar o aniversário do meu amigo junto dele? Quer dizer, ainda éramos amigos. Ainda somos amigos!

Não, ele não fez isso por mal. Ele só tá envolvido num rolo muito, muito grande, e que só pode me contar aos poucos.
Quer dizer, mesmo que eu goste de comer salmão crú, não devo ser tão apressada. É, eu perdi a pessoa que me fez vestir-me como mulher.

Não, eu só nunca a tive. Logo, não aconteceu nada demais. Eu estava mais feliz quando era apenas uma amiga normal. Saía mais quando era apenas uma amiga.
Viu, Roxy? Tomou no cú.

A pior parte disso tudo é: eu ainda quero guardar esse sentimento. Não o fato que ele me fez vestir como mulher (porque, quem conhece a Roxas, sabe que ela não costuma muito sair com roupas claras, nem gosta muito de se depilar -eow), mas…

Não sei. A verdade é essa. O motivo que quero guardar com tanto carinho aquelas duas semanas que tive muitas ideias pra surpreendê-lo e aqueles dias que ele me ligava mandando-me jantar, buscando-me logo em seguida…
Ah, phoda-se, eu sinto falta disso, mesmo tendo sido só duas semanas. Mas eu não posso fazer mais nada em relação ao meu egoísmo porque eu estou o ajudando, ou não (não estou atrapalhando, isso eu sei), com o rolo dele!

Que se exploda meu egoísmo. Eu já fui muito egoísta nesta história e vi que não sou o suficiente. Então, deve ter sido desagradável pra ele. Logo, eu tenho que ajudá-lo.

Ou talvez isso só seja uma maneira de eu continuar falando com ele. Hmmm… Cú.

Ainda sou amiga dele. O que me deixa mais aliviada, porque, normalmente, pessoas pedem um tempo.
Bom, que bom que ele não tinha nojo de estar comigo. Se tivesse, era pra me ter ignorado.

Este post tá mei’ emo, tão vou logo acabar com minha reputação de muy macho que não chora: eu realmente queria saber o que eu poderia fazer pra ele, pelo menos, ter sonhado uma vez comigo.

Tá, chega disso. *mechuta*


É bom estar de volta aos blogs. Eu realmente estava querendo falar dessa história e como estava me sentindo. Patético, tô sabendo. Mas agora botei pra fora! õ/ Posso ajudá-lo mais sinceramente, né?

Ah sim, eu peguei um freelay da Hana. Espero que ela não se importe, eu só preciso do meu Fireworks e meu GIMP pra fazer meu próprio lay.

Quanto ao Revoltados: SEGUREM A PETECA!! DDD8