Admita


Está cada vez mais difícil você poder dizer “Cara, deus não existe.
Ou os cristãos continuam muito hardcore… Ou você tem vergonha.

Eu estava indo em um restaurante perto da República. Tudo bem, normal, eram umas 19:00 e, se não fosse perto da República, eu realmente não sairia.

Puxa, como há pessoas incrédulas nesse mundo!, diz a atendente.
-Hã?
É que há tão poucas pessoas que acreditam em Deus deus.

Estava passando alguma reportagem do Datena (o programa dele tem nome, mas esqueci). E ele estava fazendo uma pesquisa sobre a quantidade de pessoas que não acreditam e as que acreditam em deus.
Tavam umas 50 mil e porrada que acreditavam e umas 2000 que não.

-Eu particulamente não acredito.

Houve um silêncio no restaurantezinho. Todos continuaram comendo lá e tal, mas ficou aquele silênciozinho.

Mas, por que você não acredita?
-Há muitas coisas já provadas pela Ciência que a Bíblia, a antiga Bíblia, dizia ser verdade absoluta. Há também muitas contradições nela. Sem falar que a imagem de “deus” está muito distorcida, mas esta é minha opinião.
Mas você não tem esperança?
-Não é o troço de eu ter esperança ou não. Quando eu quero algo, eu tento fazer. Tipo: minhas notas estão ruins. Eu não vou ficar esperando elas melhorarem, tendo esperança nisso. Eu vou lá e estudo. Sem falar, que as pessoas tão usando a imagem da divindade muito à torto e a direito. Se a comida estragou, colocam uma imagem divina de cabeça pra baixo, dizendo que a culpa foi dele.
Bom, mas o que é o “nada”, no que a Teoria do Big Bang se baseia para o início do Universo? (Item ressaltado pelo Datena)
-Na Inglaterra, aquele acelerador de partículas está pesquisando justamente isso. Encontraram uma partícula lá estranha, antes não estudada. Se ela for a partícula que deu origem ao universo e tal, está comprovado a Teoria. Mas eu mesma não tenho tantas informações sobre o assunto porque não me informei, por falta de interesse mesmo.

A mulher entregou minha comida, um pouco fria até. Mas o feijão continuava ótimo.

Quer dizer, o que é essa fixação dos cristãos? Eu não vou acreditar na divindade deles porque ele não me prova nada. Na verdade, pra mim, ele não passa de algo para se apoiar, para pessoas que não tem força o suficiente para acreditar em si mesmas.

Eu não odeio o “deus”, ou Jesus, eu odeio a igreja, e eu me recuso a escrevê-la com letra maiúscula, assim como deus. (Este, eu só não respeito a soberania dele).
A história dela a condena. Seu maior ídolo foi uma pessoa simples, entretanto igrejas são lugares luxuosos, lotado com itens de valor. Não vou ressaltar as atrocidades que este instituto fez porque não faço História. São dissiminadores de culturas, como fizeram com o Brasil, em que só valorizamos o estrangeiro, porque a nossa cultura é pagã. Búzios são chamados do capeta. Capoeira significa rebelião.
Vá se fuder.
Não preciso apoiar-me em nenhum ser imaginário para ter forças pra continuar vivendo minha vida. Sou auto-suficiente nesta questão.

Se você é assim também, não tenha medo de admitir. Você sabe das provas que acusam contra a existência deste deus também. Pode ter-lhe sido forçado acreditar nele, como aconteceu comigo, mas não é por isso que cê vai abaixar a cabeça e dizer “Sim, Senhor”.

Eu já frequentei uma igreja, bem simples, pra falar a verdade. Era evangélica, mas não sei a diferença entre elas e os católicos (pra mim, são cristãos. Ponto.). Tinha uns 8 ou 9 anos, não lembro a data certa. Gostava muito, muito de Pokemon. Tinha um Pikachu de pelúcia e andava pra cima e pra baixo com ele.
Eu achava até divertido ficar naquela igreja, porque gostava de cantar as musiquinhas com melodias bonitas.
Você vê deus?
-Não. (A única que respondeu a pergunta do pastor)
Ele então vem em minha direção, manda-me fechar os olhos e pergunta de novo.
Você agora vê deus?
-Não.
*continua com a mão na minha cabeça* Você agora vê deus?
-Mas você tá tapando meus olhos!, esperneia a garotinha.
*tira a mão da minha cabeça* Mas deus se sente, não se vê assim nitidamente.
-Ahhh. Tão tá.
Você o vê? Você o sente?
-…

O que estavam querendo? Que eu respondesse sim? Não estava vendo nada, não estava sentindo nada. E se era pra eu sentir algo, por que perguntou se era pra eu “vê-lo”?

Depois, quiseram enfiar na minha cabeça que Pokemon era dudemo.
-Por quê? (perguntou a menina com um Pikachu de pelúcia no braço)

Não me foi respondida a pergunta. Simplismente tentaram me convencer que não podia.
-Não vejo seu deus.
E aí as pessoas que me levavam nesta igreja me chamaram a atenção que não podia falar essas coisas.
Não, não eram meus pais que me levavam. Eram meus vizinhos. Meus pais acharam desnecessário eu ir pra uma igreja, mas não me repremiam.
No final, eu, aos 8/9 anos percebi que era perda de tempo ir naquela instituição.

Mas não reprimo a Teoria do Criacionismo totalmente. Afinal, a ordem que esta fala que a Terra foi criada é a mesma ordem que os elementos da Terra foram criados, segundo a Teoria do Big Bang.


  • Fatos bizarros que aconteceram durante as semanas ausentes no Keshigomo
  • Labirinto do Nekozawa
    Depois de um mês, finalmente eu e a Kih terminamos nosso jogo, Labirinto do Nekozawa. É um joguinho bem simples de perguntas e respostas feito com JavaScript. Eu nunca tive contato com esta linguagem até editar o meu Akuroku Day Contdown.
    Lá, eu editei um JS.
    No Nekozawa, eu criei JS.
    E criei com funções, matéria não vista até então nas aulas de Computação Básica.

    Falando em CB, ponteiros não são diGM.
    No último trabalho de CB, a gente tem que fazer um simulador de Labirintos.

    Sapoha me perseguiu.

    Manada de aves na padaria
    Como toda criança feliz, eu gosto de assustar pombas.
    Todo mundo já correu atrás de pombas assustando-as.

    Depois de almoçar, eu vi aquela manada de pombas na padaria. Provavelmente, estavam lá catando resto de pão na calçada.
    Aí eu disse “BU”, pisando forte.

    Aí eu vi aquela coisa chei’ de aves correndo pra cima de mim.
    -TAPOHA!!! *run away*

    É mais de oito MIL
    Lá estava eu, na aula de Física Experimental. Eu e o meu parceiro de bancada. Estava no experimento de calcular a força de atrito e tal.
    No momento, era pra calcularmos o ângulo de inclinação em que os objetos escorregavam, já que a tangente daqueles ângulos eram o Mi da Força de Atrito Estático.
    Então, Roxas, qual é o ângulo de inclinação pro bloquinho de madeira deslizar?
    -Ghaa… É de mais de oito MIL!
    O QUÊÊÊÊÊ?

    Juro, ele fez a mesma cara que o Nappa.

    Sonhos bizarros
    Sonhar em ser o Rei das Succubus foi o sonho mais épico que mais tive depois do Sigma Amarelo com líderes de torcida com uma pessoa daquele colégio fantasiada de Homem Pássaro sobrevoando nossas cabeças.

    O melhor é que eu não conhecia esta pessoa fantasiada de Homem Pássaro, mas era um cosplay. E eu não esqueci este sonho mesmo depois de 2 anos.

    O do Rei das Succubus foi muito bizarro. Eu era um cara(um cara) e tinha um bandidemonônio do sexo ao meu redor. Coisas aconteceram.
    Vi conhecidos meus neste sonho também, o que o deixou ainda mais bizarro.

    Perguntei pros meus amigos o que poderia significar isso e a única coisa que me explicaram é que “estou virando mocinho“.
    Ah, vão te fuder.

    Bom, isso difama qualquer moral que eu tinha entre os blogs e há pessoas do meu curso que podem usar isso contra mim.
    Hmmm…

    Ah, vamos, quem não teve um sonho bizarro?

    Standy by

    Ignorando o que aconteceu esses dias… ZENTI!!!!
    FALTA… FALTA… MENOS DE UM MÊS PRO DIA DE AKUROKU!! FUUUU!!!
    É!
    AKUROKU!
    FUUUUUU~~!!!!
    Eu preciso fazer alguma coisa.

    Então, para comemorar o “só falta um mês”, eu editei um JavaScript simples do Ricocheting e…
    TCHARÃM! UM CONTADOR PRA CONTAR QUANTOS DIAS FALTAM PRO DIA DE AKUROKU!!!1!

     

    Quem quiser também este contador feito com muito amor, mesmo sem muita técnica (relembrando, com muito amor e… Aimeujúnior), também pode usar no blog! É! Vamos juntas contar quantos dias faltam para o Akuroku Day e, no dia, fazer algo bemgay pra esses bandigay! õ Sabe quando alguém com grande capacidade pra mudar o mundo usa sua inteligência pra criar o sorvete mais gostoso do mundo? Quando eu pensei em fazer este contador, eu meio que me senti assim. Eu podia estar fazendo algo para melhorar e facilitar a vida das pessoas (quem sabe criando mais aulas no Onigiri), mas não; estava na frente do Notepad editando o CSS do contador. Confesso que minha semana não foi muito feliz/agitada/algo. Na verdade, a única coisa diferente que tenho feito é provas. Tive prova de Física Experimental na segunda e foi tranquila, só não consegui responder tudo porque eu esqueci como fazer desvio padrão numa calculadora científica, aí, fazendo na mãozona, deu o tempo limite da prova. E também tive prova de cálculo. Eu fui mal. Na quinta feira tive prova de CB. Eu não fui bem. Na verdade, era pra eu ter ido bem, eu estava bastante confiante em relação a essa prova porque não tinha muita coisa pra estudar. Ou você tinha feitos todos (ou os que a professora mandou) os exercícios ou você não estudou. O problema é que a prova tinha questões muito longas e os algoritmos ficaram muito compridos e, quando errava, tinha que apagar toda a folha e isso enrolava litros. Na sexta, tive prova de física. . . . Sabe aquela vontade de você querer falar algo produtivo? Enfeitar a sua vida com aventuras escabrosas e fantasiosas; dizer que o Brasil tá uma merda e apontar mais fatos relacionados à isso; mostrar uma crítica contrutiva à um assunto importante e… … Você tá simplismente na frente do computador jogando algum joguinho maroto? O ruim de ser nerd anti-social é que ele num junta muitas histórias bizarras pra contar pros outros com orgulho e coisa do tipo. Vez em quando essas coisas acontecem e, quando acontecem, a gente corre direto pra casa escrever sapoha no blog. /facepalm AH!! LEMBREI!! UMA COISA HORRÍVEL ACONTECEU COMIGO!! Eu estava lendo “Alice no País dos Enigmas”. Mas, como o livro é bem complexo, eu sempre demorava pra passar a página e coisa do tipo. Como ele não é tão barato assim (a ponto de juntar dinheiro do almoço da semana e comprá-lo), eu lia-lo de graça na livraria perto da República. Aí… Depois de eu ter lido umas 30 páginas (e eu acho que quase 30 e porrada enigmas resolvidos certos antes de conferir as respostas)… Venderam meu livro. Aí eu perguntei pro tio da livraria me recomendar um livro de lógica (porque estava achando interessante) e ele arquejou uma sombrancelha e disse que não sabia. Puxa.


    Desafios da Semana

    • Pintar o desenho da Nijuuni
    • Fazer um dueto de Magnet com a Nany sem motivo aparente
    • Fazer a Sora usar roupa de Maid após conseguir 100k no Mmeoww
    • Receber uma foto tirada com muito amor da BecaBuyaa~~

    Olha como o Keshigomo cresce pouco a pouco! x3 O lay de Akuroku da Kay leigh Loire e da Majin-sama eu ganhei da Pan há muito tempo atrás, no Amigo Secreto do Wo Ai Ni. E ela não só me presentou com o lay, mas com um pacote de icons do Axel, Roxas e um do Ventus, além de uma plaquinha de Kingdom Hearts. O lay do/da Suiseiseki (que eu insisto em achar que é um boneco, não uma boneca ou seja, eu odiei o fansub) eu ganhei da Sai por ter ganhado outro desafio do blog dela. x3

    Só abrindo um parênteses

    Eu vou responder os comentários.
    Eu vou falar sobre meu dia a dia.
    Eu vou fazer algo especial para a contagem regressiva de Akuroku day.

    Mas, quero fazer um parênteses aqui:
    Não importa o quanto eu me esforce para nunca depender de ninguém em questões da web, levando horas pra fazer uma funçãozinha. Não importa o quanto eu tente ser um tanto quanto peculiar. Não importa se mesmo eu fazendo coisas pesadas e ineficientes, mas que ainda apresentam um resultado fora do esperado, sendo quase “intrigante” o final…
    Alguém olha meu código de fonte e copia tudo o que eu fiz.

    Que atire a primeira pedra quem nunca teve algo seu “copycatiado”.

    A minha versão presentes foi inaugurada quando eu me senti segura com a função “include” e com a criação de diretórios no servidor, aprendendo até um novo modo de acessá-los. Quem se perguntou se eu posto em cada nova edição o mesmo post, está errado. Eu só tenho uma página de post, uma página de perfil, uma página de links e etc.
    Pode não ser algo novo, até porque fanlisting também apresentam esta função de vários temas para serem escolhidos. Ou posso não ter sido a primeira a colocar isso em um blog usando layouts que não foram feitos por mim.

    Mas
    Eu
    Que
    Fiz
    .

    Sou muito preguiçosa pra fazer uma página de bem vindos decente, então fiz algo bem simples mesmo, mas com o devido crédito embaixo do layout do criador.
    Essa é a versão do Keshigomo dos meus amigos. E eu nunca mais mudarei meu layout. Se eu consegui tantos layouts, é porque eu tenho grandes amigos, porque não se faz layouts (que dão um puta trabalho de se pensar e fazer) pra qualquer um.
    Se perguntam se eu sei fazer layout, a reposta é sim. Tenho muita preguiça e só sei fazer layouts para os outros, mas eu sei fazer gráficos também, apesar de me dedicar mais no CSS e aprender um macete e outro em PHP.

    Não uso modelos bases. Tudo o que sei devo à Vickys e serei eternamente grata à ela. Pois foi com os tutoriais dela que eu dei meus primeiros passos.
    Sem usar base de ninguém.

    Outra coisa é o porquê Roxas como nick, sendo que nunca abandonei o “Sii”. Não fui a primeira a jogar KH, tanto é que comecei com a versão em inglês de Kingdom Hearts 2. Foi com o Roxas que tive meu primeiro contato com a série. No começo, eu não via tanta graça no jogo até a seguinte intriga: quando a Namine aparece e diz que o Roxas “não deveria existir”.
    Tudo então se confunde pra mim. Eu fico muito intrigada com a história. E, então, aparece o menino de cabelo castanho e, de repente, Roxas desaparece.
    No primeiro momento, eu fiquei com muita raiva do Sora e eu quis chutá-lo, mas tive esperanças de voltar a jogar com o Roxas de novo no decorrer do jogo.
    E quanto mais eu jogava, mais partes da história pareciam estar faltando.
    Foi quando eu parei de jogar Kingdom Hearts 2 e joguei Kingdom Hearts 1, também em inglês.
    Percebi que o Sora era uma pessoa muito amável, e ele e o Riku era um amorzinho juntos. Kairi parecia mais um enfeite do cenário pra ficar aquele “trio de amigos”.
    Mas aquela passagem de Hollow Bastion, com a Kairi e a vó dela, também me deixou intrigada, então passei a respeitar a presença da Kairi.

    De qualquer maneira, assim que derrotei o Seph, o titã de gelo e os dois heartless ocultos daquele jogo, voltei pro KH2, desdo início. E não deixei de perceber o quanto Axel e o Roxas eram melhores amigos. E como isso era gracinha.
    E “-Ninguém vai sentir minha falta!” “Não! … Eu vou… ç3ç“.
    Dessa vez, zerei-o 100%, incluindo o Seph, Hades Cup e todo Jiminy Journal, mas ainda continuava faltando algum pedaço entre o KH 1 e KH2.
    Aí eu reencontrei a Sora, minha melhor amiga, e passávamos horas e horas discutindo sobre Kingdom Hearts.
    Pouco a pouco eu fui me afundando mais e mais na série, tudo graças ao enigma que a Namine soltou para o Roxas.

    Eu consegui o Re:CoM antes do lançamento em inglês, portanto, joguei em japonês (o que não faz muita diferença pra mim, já que compreendo um pouco japonês por estar estudando há 4 anos). Consegui comprar o KH2 Final Mix. Baixei o 358/2 Days dois dias após o lançamento oficial no Japão. Acompanhei o processo de desbloqueamento do BbS pelo Ch2 e por outras fontes (por exemplo, um dos moderadores da Kingdom Hearts Brasil).

    Eu não uso o colar do Roxas por “achar ele legal”. Eu o uso porque ele marcou uma pequena parte da minha vida e faz parte do meu vício até hoje. Eu tenho motivo e história para poder dizer “eu sou fã de Kingdom Hearts”.
    Mesmo não tendo conseguido manter um fake no orkut do Roxas, pelo mesmo motivo da Tati-san, eu também posso ser chamada pelo meu personagem de jogo favorito.
    Como dá pra notar, eu não virei fã da série instantaneamente. Quando eu não havia completado 100% do jogo, eu não era fã. Isso foi algo gradativo.

    Diga não aos posers.

    Não gosto de modinhas, mas não gostar de modinha também virou modinha, então eu tento ver os dois lados, mesmo sempre tendendo a ser da modinha que não gosta de modinha.
    Se for pra copiar, faça bem feito.

    “Me passa o macaco”

    Porque todos somos vândalos.

    Tudo começou na sexta, quando estávamos indo pra casa do Mangaká. O Roteirista de Kurasa no Guns estava na perdição aproveitando uma grande festa de casamento, então seria apenas eu, a Sora e o primo dela.
    Quando chegamos lá, depois de eu e a Sora quase termos partido pras preliminares dentrodo elevador um pity gay, batemos na porta do Mangaká.

    Ninguém atendia.

    Batemos de novo.

    E aí, quando a porta foi aberta, quem nos recebeu foi alguém estranho.

    “-Cade o Mangaká?
    “-Quebrou o dedo
    Na mesa dele, vemos um CD de Starcraft aberto…
    ….
    Suspeito.

    Aí decidimos sair para comer.

    Depois de termos voltado para buscar dinheiro, fomos no Giraffas comer alguma coisa. Nada demais até aí. O lanche tava uma delícia.
    E aí, quando voltamos pro carro.

    -FILHO DA PUTA!
    Um carro tinha estacionado em mão dupla, impedindo que o nosso pudesse sair.
    O bom é que a pessoa deixou o freio de mão engatado. Aí nós empurramos um pouco o carro…
    E ele bateu no postezinho.
    E decidimos colocar ele de volta no lugar, esperando que ninguém perceba o amassadinho na traseira do carro.
    -Mas, e agora? Como vamos sair?
    Pensamos por muito, muito tempo. Tentamos virar as rodas do carro, chutar o poste, levantar o carro…

    -Me passa o macaco.
    Tivemos a ideia brilhante de quebrar o vidro.

    A Sora e o primo da Sora ficaram “é, vamos quebrar! Ser vândalos, issaê!” e coisa e tal. Eu tava lá parada.
    Aí o primo da Sora pegou um guarda-chuva.
    E ficou olhando pra mim e pra Sora.

    Aí eu peguei o guarda-chuva.

    POW!

    Sora e o primo da Sora se esconderam. Eu tava lá parada olhando pro vidro que não tinha quebrado. Ele só tinha feito um puta barulho.

    -Já disse, me passa o macaco.

    E aí o primo da Sora, temeroso, me passou o macaco.

    Eles fizeram uma comparação que o macaco, de tão grande, era uma espada samurai na minha mão, por causa do jeito que eu tava segurando. Confesso que ri litros disso na hora, mas depois percebi que tavam me zuando.
    Cú.

    E aí apareceu a dona do carro! /RÁPIDO, ESCONDE O MACACO!

    Aí ela tirou o carro da fila dupla, entramos no carro e fugimos.

    E, pra finalizar a noite, a Sora jogou “Left 4 Dead” e eu ainda tinha que fazer pose de macho que não estava com medo daquela poha de jogo em primeira pessoa com zumbis que correm atrás de você.
    O melhor é que, quando o primo da Sora me deixou na República, pra dormir, na entrada da República, eu ouvi uma mulher chorando.
    Chorando muito.
    Eu acho que eu devia ter ido ver o que era, mas pensei que era uma Witch e decidi ir pra cama dormir.



    Nossa! Eu devia ter tido essa ideia antes! Nunca pensei que fosse ver o Keshigomo com tantos estilos diferentes de lays e todos tão, tão, tão bonitos! *O*
    O de Akuroku eu recebi da Sai por ter ganhado um desafio do blog dela. O random eu ganhei da Val, que teve muito boa vontade em fazer esse pra mim. x3 Aí, esse lay da Miku eu acabei roubando da Val, que ia jogar o layout fora, e aproveitei e coloquei umas 5 músicas. x3
    Foi a melhor ideia que tive pro Keshigomo. *O*

    Ps: Alguém sabe que dia tá chegando? Dicas estão espalhadas no meu post.