Loop infinito

Todo mundo sabe que meu forte nunca foi discutir (minha primeira reação ou é falar rápido, ou ficar com a cara vermelha ou variantes). Uma coisa que aprendi que é melhor cortar o assunto e tentar mudar pra outro ou fazer piadinhas sobre o assunto discutido. Quando não dá certo, tem é que dizer a verdade:

-Veja só, estou irritada. Vamos parar de discutir isso porque não leva a nada.

Seja orgulho ou teimosia que me leva a isso, após eu dizer isso, eu fico com aquele Espírito da Escada e fico um bom tempo remoendo o assunto na minha cabeça.

Como o Veterano tem me sido uma ótima companhia, por vezes eu até falo com ele sobre o que discuti e esse espírito vai embora. Não foi o caso hoje, então estou apelando pro meu blog, que aqui posso falar sobre o que eu quero, repetir meu argumento várias vezes… E… E alguém usar isso contra mim e me chamar de “babaca”, por qualquer razão.

Só lembrando que isto é um blog pessoal escrito por alguém que não quer filosofar, então, sem palavras bonitas aqui. Somente ir falando e falando. (Tem vezes que fico preocupada que alguém, por algum mistério, ache este blog e pense que ele tenha algum conteúdo)

 

O que é normal?

Em geral, somos treinados por nossos pais a ser normais. Aprendemos na escola (com professores, não amigos) e internet outros conceitos que ampliam o uso da palavra normal. Normal pros pais, sei lá, serem religiosos… Você estudou bastante e vê que não precisa de um deus pra continuar sua vida, então é normal pra você ser não-religioso, não que isto mude drasticamente o que você pense sobre religião.

Faltando um pai/mãe/aula pra dar uns cascudos na hora certa, o menino aprende algo que não é normal, tipo sei lá… Assaltar.

Ah, mas muitas pessoas são assaltantes“.

Nem por isso é normal. Ou é normal sair na rua, ver um relógio bacana e “hm, vai ser meu”?

Quantos desenhos, filmes, livros, artigos a gente viu na vida pra saber que o comum nem sempre é o normal, o certo? Ou normalmente você faz coisas erradas? Se é isso, ah, tão tudo bem, pode sair dando o cú por aí, já que é normal fazer o errado.

 

Parece que peguei a palavra normal e lhe dei dois apostos: certo e errado. Normalmente as pessoas fazem o certo, mas, dependendo do lugar, normalmente o errado (o que é certo pra ela). E quando esses “normais” entram em conflito? O que poderia acontecer seria: o que é errado pra um é certo pra outro, né?

E se ambos concordarem que tal fato é “certo”, mas o outro continuar achando “normal” o que é errado, sendo que ele próprio sabe que concorda que é errado.

A discussão no caso foi sexo.

Eu acho normal fazer sexo após os 18 anos, desde que não fique aí saindo mostrando a pepeca pra todo mundo, que aí é AIDS. Antes disso, temos que estudar pra conseguir ter futuro.

Óbvio, adolescente explode hormônios e puberdade (além de espinhas), então é claro que aos 14/15 anos ele vá querer saber o que diabos é sexo e vai, num chat da uol, fazer sexo com caps lock dizendo tudo o que acha que é sexo pra ele (ou faz uma fic). Agora, o corpo de uma menina de 14/15 anos não está preparado pra receber um fuleco na sua pepeca. O corpo ainda está em desenvolvimento, seus peitos ainda estão aparecendo e suas espinhas também.

Há meninas que se desenvolvem mais rápido. Meninas com 15 com corpo de 18!

Adivinha só? Ela não está no ponto! Só porque o peito é de melão, você acha que a ginecologista vai dizer “olha, você tá top. Pode fazer sem medo”?

Quando atinge os 18, seu corpo fica “ah, beleza galera, atingimos o nível máximo” e tudo volta a ser estável. Ou seja,  qualquer mudança drástica, tipo uma gravidez, agora você percebe, já que, passado o fuzuê da puberdade, você sabe como seu corpo funciona.

 Meninos com 16 anos estão prontos pro sexo? Provavelmente seu pênis sim (eu sei lá como funciona as bolotas, se crescem ou não depois de um tempo, se param de ter acidentes… Não irei pesquisar). É biológico isso. Aí, por causa disso, o garanhão tem que ir lá mostrar o que? Que não sabe segurar a perna de uma mulher sem machucá-la?

Nessa idade, explodindo hormônios, não é normal pro corpo fazer essas coisas. Com 16 anos, não é pra fazer sexo, seu corpo não está preparado pra isso ainda. Você só tá explodindo hormônio. Ou você é um bicho qualquer, sendo levado por hormônios? Não raciocina não?

Onde o normal não acontece? Onde não tem uma ginecologista pra te avisar dos perigos, onde não tem um bom professor pra te dar uns toques, onde não tem pais pra te dar pauladas, onde não tem infra-estrutura… São muitas coisas que influenciam e mudam o normal daquelas pessoas.

Normal é o que normalmente acontece.

Aham, aí volta pra aquilo que falei: é comum ter bandido, então é normal ser bandido. É comum sair dando o cú na balada, então é normal dar o cú na balada.

Normalidade é um estado padrãonormal, que é considerado correto, justo sob algum ponto-de-vista.

normal

adjetivo de 2 géneros

1. conforme à norma ou regra
2. que serve de modelo; exemplar
normal In Infopédia [Em linha]. Porto: Porto Editora, 2003-2013. [Consult. 2013-03-25].
Disponível na www: <URL: http://www.infopedia.pt/lingua-portuguesa/normal>.

Eu fiquei nesse loop por basicamente algumas horas. Eu tô que reviso que escrevi, tentando ver algum furo… Tipo, na real… Até coloquei umas definições porque, olha… Acho que tá no lugar errado do post.

O melhor é que ambas concordamos que o certo é não fazer sexo aos 16. Agora, não me venha dizer que isso é normal. Só é “normal” em lugar que falta alguma coisa.

Na europa, distribuem camisinhas pras crianças de 11 anos.

Suíça, porque lá, como sexo no parque é permitido, meninos de 12 anos vêem pessoal nos pega pega, ficam intrigados e fazem com a menininha do lado e, por serem CRIANÇAS, não acham que vão engravidar, machucar, nem nada dessas porras. É normal elas fazerem nessa idade? É tão “normal” que eles fazem até sem proteção. Olha o meio que eles estão vivendo. Eles vão achar normal fazer sexo no parque, só que, sem saber o que estão fazendo, vão fazer com a garotinha do 5º ano.

Ah, mas lá é país de primeiro mundo. Todo mundo vive muito bem.

Porque país de primeiro mundo não tem problema nenhum, né mesmo? Porque eles tem tudo que precisam a todo momento.

 

O que mais me deixou coisada nessa história, que me fez escrever este post, foi só o fato que, com menos de 18 não temos corpo pra essas coisas, não tá pronto. Não é o troço de ser “certo pela lei”, e sim “certo para o corpo”. E, como eu normalmente faço o certo, o certo é normal.