Deu tudo certo

Este semestre foi extremamente exaustante pra mim. Algumas coisas legais, muitas coisas tristes, muitas coisas… Mas hoje fui recompensada! Sinto que passei no vestibular de novo. Todo aqueles meus sacrifícios, estresses… Dever cumprido!

 

Primeira coisa de tudo é que este semestre começou com o Veterano viajando pro Canadá, pelo Ciência Sem Fronteiras. Sempre enchi o saco pra ele aproveitar pra estudar o máximo e não cair na gandaia. E também me ligar toda semana porque eu iria ficar triste.

Bom, ele tentou manter a rotina de me ligar toda semana, mas logo depois a faculdade dele começou a enchê-lo de trabalho, bem como a minha, aí se tornou menos frequente nossas ligações. Porém, continuávamos fofocando sobre os outros todo dia no facebook, jogamos com nossos amigos Gauntlet e, quando ficávamos enrolados com alguma matéria, continuamos nos ajudando (um fazendo o trabalho do outro). Assim, fez uma baita de uma falta não vê-lo mais toda semana, mas tentamos contornar esse problema.

E daqui a 4 dias estarei indo pro Canadá passar o natal e o ano novo com ele. Gastei todo meu dinheiro de tutoria que ganhei, o que sobrou da viagem do Japão e contando que vou ganhar salário certinho nos próximos 3 meses. Já planejamos todos os lugares que iremos, compramos as passagens de ônibus e tenho certeza que tudo vai dar certo, vamos comprar muitas tranqueirinhas e vamos tirar muitas fotos juntos.

Irresponsável da minha parte? Eu nunca tive dúvidas disso. Mas eu o amo e sei que vale a pena isso que faremos.

 

Este semestre eu e meu orientador fomos para o Congresso da WPOS, Workshop da Pós Graduação. O que eu estava fazendo lá? A esposa do meu professor, umas das coordenadoras do evento, falou que nosso projeto de graduação é extremamente interessante e que não deveríamos deixar de ir.

Teve alguns problemas com nosso artigo, pois os professores estavam recusando toda vez que a gente o submetia. Eles reclamavam que a formatação estava incorreta (tipo, o título estava zoado). O problema é que meu orientador é simplesmente o “cara” do departamento que entende de formatação de texto (aquelas coisas de Latex). Para ele, era inadmissível meu artigo ser recusado pelos motivos que os caras tavam apresentando, então acabou que ele saiu brigando com todo mundo. Eu tenho muita sorte por ter um orientador tão preocupado comigo. ;u;

Depois de muita ladainha, o artigo foi aceito e lá fomos nós! Convidei meu pai, minha mãe e minha vó para ir, pra que eu não ficasse nervosa quando fosse apresentar, mas não foi muito efetivo.

 

Continuei nervosa, gaguejei, esqueci o que iria falar, falei rápido demais, tropeçando nas palavras… E olha que meu orientador tava soprando colinha do que eu iria falar o tempo inteiro. Uma coisa é apresentar pra uma turma de alunos, outra coisa um público de professores e doutores.

Enfim, eu achei um desastre.

Como eu tinha ENEM no dia seguinte, eu não pude ficar o evento todo, então, depois que apresentei, eu fui embora. Porém, quando eu estava indo embora, um monte de gente veio falar comigo sobre nosso projeto: muita gente gostou, quer que ele evolua mais e que esta área realmente precisa de mais atenção mesmo. Teve até gente que leu meu artigo antes de falar comigo!

E, claro, a esposa do meu orientador falou que eu deveria fazer iniciação científica com este meu trabalho, então outra coisa que eu me senti mega feliz.

 

Este semestre eu montei exclusivamente por causa de uma matéria: Organização e Arquitetura de Computadores (OAC). É uma matéria complicada, extremamente trabalhosa e com provas gigantelescas. Por isso mesmo, este semestre só fiz TG1 (trabalho de graduação 1), Chinês 1, Instrução a psicologia e OAC.

TG1 a professora ficava enchendo o saco por causa de bibliografia e da introdução. Não se dava o trabalho de ler minha monografia, só reclamava da introdução e das referências bibliográficas, coisa de ficar tirando 4 pontos. Ignorei.

Chinês 1 eu confesso que poderia ter estudado mais, pois estava fazendo chinês com o intuito de aprender a ler mais kanjis e não me assustar quando ver um monte de kanjis juntos. Não deu muito certo. Porém a professora era hiper meiguinha e dava nota por qualquer besteira que a gente falava. Ela merece todos os rolinhos primavera que ela quiser. Ainda bem que fiz chinês este semestre, porque ela está voltando pra China já nestas férias (inclusive acho que ela já voltou). Se não fosse por ela, eu provavelmente iria odiar a matéria, porque os outros professores do departamento chinês eram, olha….. Ooooolha…

Enfim, que ela tenha uma excelente viagem de volta. <3

Psicologia eu chutei o balde. Estava fazendo realmente só pelos créditos mesmo e, quando vi que tinha nota pra passar com 5 na média final, eu meio que a abandonei. Me senti culpada depois porque acho que o professor não merecia isso, mas eu tinha minhas prioridades.

E minha prioridade era OAC.

Vários sábados e domingos na unb estudando pra essa matéria, fazendo todas as provas anteriores, questões do livro, questões dos slides, pedindo monitoria, indo na sala do professor pedindo ajuda numa questão…

As notas demoraram pra sair, mas eu não precisava delas pra saber que não tinha ido tão bem quanto gostaria nelas. Desta vez, eu fiz OAC com um professor que, mesmo que ele seja hiiiiper atencioso, que nos acompanha nos sábados e domingos de estudos (tipo: “Professor, acha que consegue aparecer no sábado pra nos ajudar a estudar pra prova?“, e ele “Claro! Estarei lá as 14:00“), assim, fofuxo… As provas dele são insanas. Bem como os trabalhos.

Quer dizer, o que você normalmente esperaria de um aluno cursando OAC? Que ele saiba o mínimo do funcionamento dos processadores uniciclo, multiciclo e pipeline e, no final do semestre, que o aluno consiga implementar algum desses processadores com instruções básicas. O que este professor espera? Que o aluno, além de saber isso, saiba em todos os detalhes o funcionamento de algum módulo que dê pra implementar na placa DE2-70, no final do semestre consiga fazer um jogo 100% funcional.

O módulo deste semestre foi implementar o protocolo de transmissão RS-232 e o Boot Loader. Que, por sinal, apenas o meu grupo conseguiu implementar direito. Apenas o meu grupo conseguiu implementar esse protocolo e ele era essencial para a realização do trabalho final.

Ou seja, se numa matéria, apenas um grupo consegue fazer tal coisa, dos 5 que tinham (cada um com 5 alunos cada), alguma coisa está errada.

De qualquer forma, o jogo deste semestre foi fazer o jogo do Pateta e o Max:

Acho que quem lê meu blog não entende o quanto é difícil fazer isso, mas, vão por mim, é difícil pra caramba.

 

E então saiu as notas:

Untitled

 

Agora vou curtir minhas férias e cuidar de mim. Beijos pra vocês

Hora do meme!!! 100 coisas que ninguém me perguntou

Roubei esse meme da Relieme porque minhas aulas começaram só fazem 2 semanas… Não deu tempo de ter treta.

E me bateu vontade de fazer este meme. Quem quiser fazer também, à vontade!!! \o\ Em itálico, as respostas da Relieme que eu não responderia de outra forma.


01. Você dorme com as portas do seu armário abertas ou fechadas?
Abertas, que no dia seguinte eu, sonolenta, só pego a roupa, vou pro banheiro e me troco por lá mesmo.

02. Você leva embora os shampoos e condicionadores dos hotéis?
Claro que não! Por que eu levaria esses troços?!

03. Você dorme com seu edredom dobrado pra dentro ou pra fora?
Em dias frios, eu me enrolo e viro um sushizinho.

04. Você já roubou uma placa de rua?
Já tive vontade de chutar placas de candidatos, mas não sou corajosa o bastante.

05. Você gosta de usar post-it?
Costumo quando quero pedir algo pros meus pais (tipo me acordar mais cedo, ou imprimir um negócio pra mim) quando eles já dormiram.

06. Você corta cupons, mas depois nunca usa?
Não tenho o costume de usar cupons.

07. Você prefere ser atacado por um urso ou um exame de abelhas?
Por um urso. E ainda tento ser amiga dele.

08. Você tem sardas?
Não.

09. Você sempre sorri para fotos?
Sempre tento fazer careta pras fotos.

10. Qual é a sua maior neura?
Achar que sou o maior incômodo do mundo.

11. Você já contou seus passos enquanto você andava?
Provavelmente, só não lembro a ocasião.

12. Você já fez xixi na floresta?
A única floresta que fui eu já tinha 22 anos na cara e estava tentando subir a montanha… Então, não.

13. E quanto a fazer coco na floresta?

17. Qual é o tamanho da sua cama?
É uma cama de solteiro normal, eu acho.

18. Qual é a música da semana?
Não tenho uma específica. Ouço a playlist da rádio do Condomínio Ongaku :3

19. O que você acha de homens que usam rosa?
“Não entendi… homens que usam roupa cor de rosa ou uma rosa ao peito?”

Acho que homens que usam uma rosa ao peito são hiper românticos e merecem todo o amor do mundo. Um beijo pra vocês!

20. Você ainda assiste desenhos animados?
Claro! Sempre que ninguém tá na sala, eu coloco no Cartoon/Nick/Disney XD.

21. Qual é o filme que você menos gosta?
Não estou me recordando de nenhum em específico, mas acho que aqueles que me fizeram dormir são ruins.

22. Onde você enterraria um tesouro escondido, se você tivesse algum?
Se é para ninguém o encontrar, claro que não vou dizer u.ú

23. O que você bebe com o jantar?
Depende da janta: se for pizza/hamburguer/alguma comida “rápida” e acompanhada com os amigos, um refrigerante. Caso contrário, água ou suco.

24. No que você mergulha um nugget de frango?
Não precisa de nada, ele como nugget de flango já tá bom demais.

25. Qual é a sua comida favorita?
Batata!! Batatinha, batatões, batatatona, muitos batatas! Viveria de batata.

Ah, também amo macarrão.

26. Quais filmes você poderia assistir várias vezes e continuar amando?
Provavelmente alguns filmes da Disney. Tem aqueles que ultrapassam a regra dos 15 anos e sua história transcende gerações. ;’3

27. Última pessoa que você beijou/beijou você?
Meu namorado

28. Alguma vez você já foi escoteiro(a)?
Não.

29. Você posaria nua em uma revista?

30. Quando foi a última vez que você escreveu uma carta para alguém no papel?
Acho que quando mandei presentinhos pra Yori e pra Daisu.

31. Você pode trocar o óleo de um carro?
Posso, mas acho que prefiro ir num posto e pedir pro frentista me dar uma mão.

32. Já obteve uma multa?
Não.

33. Alguma vez ficou sem gasolina?
Não, mas meu freio já falhou enquanto estava dirigindo e fiquei sem bateria no meio do estacionamento. Nada muito grave.

34. Tipo favorito de sanduíche?
Misto quente é um tipo de sanduíche? Se for, é o meu favorito

35. A melhor coisa para comer no café da manhã?
Em geral eu não como no café da manhã, tomo só um toddynho.

36. Qual é a sua hora de dormir?
Quando dá 23:00 eu fico “opa, tenho que dormir”.

37. Você é preguiçosa?
Sou e não me envergonho disso!

38. Quando você era criança, o que você vestia para o Dia das Bruxas?
Nunca fui num Halloween…. O que eu e minha mãe tentamos fazer na quadra foi reprimido pelos cristãos da quadra… ;_;

39. Qual é o seu signo astrológico chinês?
Cabra ou carneiro

40. Quantos idiomas você fala?
Português, Inglês e arranho um okashii nihongo. :D

41. Você tem alguma assinatura de revista?
Não.

42. Quais são melhores, Lego ou Logs Lincoln?
PLAYMOBIL *corre*

43. Você é teimoso(a)?
Do fundo do meu coração, não, mas meu namorado disse que sou deveras teimosa. Não acredito nele.

44. Quem é melhor… Faustão ou Silvio Santos?
Silvio por fazer o que quiser com o canal dele, mas não assisto nenhum dos dois.

45. Já assistiu alguma novela?
A única novela que assisti foi Beijo do Vampiro.

46. Você tem medo de altura?
Acho que não… Mas não sei se ficaria com o rabo entre as pernas se ficasse num lugar alto.

47. Você canta no carro?
Não…

48. Você canta no chuveiro?
Eu canto em toda casa quando estou sozinha.

49. Você dança no carro?

50. Alguma vez usou uma arma?
Quando fazia kung fu, já.

51. A última vez que você teve um retrato tirado por um fotógrafo?
Acho que foi quando tirei minhas fotos 3×4 mais recentes.

52. Você acha que os musicais são legais?
Pra quem curte, claro.

53. Natal é estressante?
Esses últimos não tem sido e, se tudo der certo, o desse ano vai ser bem legal também.

54. Nunca comeu um Pierogi?
Sei nem que diabos é isso.

55. Tipo favorito de torta?
Não como doce.

56. O que você queria ser quando era criança?
Protetora dos animais!

57. Você acredita em fantasmas?
Só depois de filmes de terror. Dura uma ou duas noites.

58. Já teve um sentimento de Deja-vu?

59. Toma uma vitamina diária?
Eu tomava quando era criança, mas aí a vitamina ficou fraca e, ao invés de eu tomar uma melhor pra mim, eu só parei de tomar pra sempre, yaaaaaaay!

60. Usa chinelos?
Sim. Tenho da Pucca, da Liga da Justiça e da Madastra má.

61. Usa um roupão de banho?
Uso um roupão do Rex, de Toy Story.

62. O que você usa para a cama?
Vestido. São fresquinhos.

63. Primeiro show?
O show da Kelly Key que fui com minha prima. Eu acho que achei uma bosta o show, mas eu era pequena demais pra saber.

64. Wall-Mart, Target e Kmart?
Só conheço o Wall-mart.

65. Nike ou Adidas?
PAPETE DO SENINHA!!

  66. Cheetos ou fritos?

Batata frita na fritadeira ou numa panela, por favor. Batata de pacotinho é veneno para o meu intestino x.x

67. Os Amendoins ou sementes de girassol?
Nenhum dos dois.

68. Já ouviu falar do grupo de Tres Bien?
Trés bien? Non, je ne sais pas…

Não sei nem o que tá escrito, mas é isso aí mesmo que eu acho.

69. Já teve aulas de dança?
Sim, mas cansei em 2 semanas. Eu era muito pequena, já nem lembro do que era. Jazz é dança?

70. Existe uma profissão que você imagine fazer no seu futuro?
Quero só segurança no emprego e poder não dedicar horas extras pra fazê-lo, assim vou ter tempo pras coisas que gosto e pra minha família.

71. Você consegue enrolar sua língua?
Acho que sim.

72. Já ganhou um concurso de soletração?
Nunca fizeram um concurso assim na escola, se não participava ‘-‘

73. Você já chorou por estar feliz?
Já, várias vezes.

74. Possui algum disco de vinil?
Tive, mas eu e minha mãe tivemos que nos desfazer deles.

75. E uma vitrola?
Também tivemos e o meu era da Minnie. Não sei que fim ele levou.

76. Você utiliza incenso regularmente?
Não, só quando o vizinho fuma na janela.

77. Já se apaixonou?
Estou profundamente apaixonada, por sinal

78. Quem você gostaria de ver em um show?
Não tenho preferências…

79. Qual foi o último show que você viu?
Aquele lá da Kelly Key.

80. Chá quente ou chá frio?
Chá quentinho com leite e açúcar.

81. Chá ou café?
Chá

82. Açúcar ou adoçante?
Açúcar.

83. Você sabe nadar bem?
Sei boiar

84. Você consegue prender a respiração sem segurar seu nariz?
Sim

85. Você é paciente?
Na maioria das situações, sim.

86. Dj ou banda, em um casamento?
Se possível, não me chamar pra casamentos. Acho-os um porre. E não importa quem toque a música.

87. Já ganhou um concurso?
Jááááááááá, quando tinha concursos na blogosfera e que eu participava~~

88. Já fez alguma cirurgia plástica?
Não, mas pretendo. Tem uma pinta no meu queixo que eu quero tirar faz alguns anos.

89. Quais são as melhores azeitonas?
Não como azeitonas

90. Você faz tricô ou crochê?
Nenhum dos dois.

91. O melhor lugar para uma lareira?
Fora do Brasil! Não, é sério, aqui é muito quente pra ter lareira.

92. Você já viajou pra fora do seu país?
Já, fui pro Japão em Fevereiro.

93. Que lugares você pretende conhecer?
Pô, conhecer não sei, mas queria rever uns amigos gringos que conheci. Aí entra nessa brincadeira Alemanha e Coréia do Sul.

94. Qual era a sua matéria preferida no Ensino Médio?
Eu achava legal gramática, gostava de literatura por causa da professora e achava hiper interessante as aulas de matemática sem ser a geometria analítica. Reprovei em todas as matérias.

95. Você esperneia até conseguir as coisas do seu jeito?
Já fiz isso, e foi recente… Eu me envergonho um pouco.

96. Você tem filhos?
Não.

97. Você quer ter filhos?
Não.

98. Qual é a sua cor favorita?
Gosto de azul e vermelho.

99. Sente falta da sua infância?
Quem não sente?

100. Por que você continua com o blog?
Por que é onde desabafo coisas que não acho que meus amigos precisem escutar, ou quando simplesmente quero falar de alguma bobage. Gosto bastante do Keshigomo por ser esse meu diariozinho que recebo, de vez em quanto, uns tapa na cara da sociedade. :3

Baita semestre sofrido

Eu acho que se eu tivesse que trancar algum semestre da unb, eu deveria ter trancado este. Mas aí eu só não me importei.

 

 

Eu fiz poucas matérias. Uma delas, Organização e Arquitetura de Computadores (oac), eu sempre soube, sempre, que seria meu calcanhar de Aquiles. Uma coisa que eu não gosto são circuitinhos, é extremamente baixo nível pra mim E, basicamente, oac são circuitinhos complexos + assembly mips.

Mips, por incrível que pareça, eu consegui pegar a ideia. Fiz um programa relativamente complicado com ele, usando listas e outras ed com eles e abusando da pilha de memória. Não temos uma matéria Introdução a oac, então, mesmo que mips seja “fácil”, engatar na ideia é extremamente árduo. Porém, fiquei bastante orgulhosa dos meus primeiros trabalhos.

 

 

Então chegou as partes dos circuitinhos e minha vida começou a desandar. Acho que nunca contei aqui no Keshigomo, mas eu tenho sofrido de algum mal do sono. Não falo de ficar com preguiça pela manhã ou tirar uma soneca no meio da aula, mas sim de fazer prova e apagar de repente. Ou estar fazendo resumo pra alguma matéria e começar a escrever dormindo. Ou dormir enquanto dirige!!! (Eu parei de dirigir por medo, ok?)

Eu tenho isso desdo ensino médio, mas nunca me atrapalhou esse troço. Porém, com o passar dos anos, esse troço vem ficando mais frequente, e não posso deixar de comentar que eu já passei um semestre dormindo sem querer em todas as aulas de um professor super gente fina (que faz piadinhas e tudo mais) e… E do professor de oac.

Como a primeira parte da matéria é relativamente tranquila em relação com a segunda, eu fui levando. Dormindo contra minha vontade nas aulas, pah, mas ok. Estudei pra caramba pra primeira prova, saí do estágio pra ter mais tempo pra estudar, tudo tava conforme os planos. Acabei estudando mais do que deveria, na minha opinião. Fiz a prova super tranquila, achando até que tinha ido bem.

E então, 1,5.

Isso me deixou profundamente abalada.

 

 

Aí então eu marquei minha primeira sessão de psicóloga. Eu estava muito abalada com minha nota, estava chorando por quase tudo que tava acontecendo na minha vida (tudo mesmo), acabei me afastando de todos meus amigos (exceto o Veterano, mas ele é meu namorado), enfim. Chegando lá, a primeira coisa que ela fala, depois que contei que além de eu estar triste pra caramba, era desse troço do sono, ela:

-Minha filha, você deveria ter procurado um neurologista primeiro.

A partir daí eu acho que ignorei tudo o que ela falou porque não lembro de nada na conversa. Como ela falou que eu deveria primeiro ter procurado outra moça, eu presumi que continuar com aquelas sessões eram inúteis.

Continuando a vida, eu estava fortemente ainda tentando estudar pra oac e fazer meu processador. Com muito esforço eu fiz uma ula, um banco de registradores e aí fui fazer a memória.

 

Ah sim, eu esqueci de falar que o monitor, que é amigo do Veterano, já não aguentava mais eu ir nos plantões dele e mandou eu ir estudar sozinha, o que acho mais que válido. O professor falava que eu tinha que procurar o monitor pra tirar minhas dúvidas.

 

Sozinha eu não tava conseguindo fazer o que eu precisava fazer pra memória funcionar. Tirando 1,5 na primeira prova, eu tinha que tirar 8,5 pra passar na segunda. Se eu tinha estudado até mais do que achava que precisava pra primeira prova, e o segundo conteúdo eu não estava entendo, e ainda tinha que fazer o processador funcionar, então…

Então o que eu tinha que fazer? Trancar o semestre.

 

 

Porém eu não fiz isso, porque, fora essa matéria, muitas coisas legais estavam acontecendo na minha vida acadêmica.

Eu finalmente decidi meu trabalho de graduação, que estou orgulhosa até. Apesar de focar educação, envolve muita coisa teórica da computação mesmo e é uma ferramenta útil. A PlayCB. Ela é uma api voltada para programadores inexperientes fazerem coisas legais com OpenGL, isso sem saber um tiquinho de opengl. Eu fiz ela baseada no meu primeiro semestre de cic na unb e o que eu queria ter aprendido e como queria ter aprendido.

Tem dado bastante certo. Dois professores aplicaram a PlayCB este semestre e só recebi elogios e muitas ideias do que mais ela pode fazer. Um professor quer levar meu projeto pra wPós, que este ano em especial abriu vagas pra alunos de graduação, e outro quer levá-la pro próximo CSBC. Ou seja, eu me senti mega importante com essas coisas e hiper feliz. Não só isso, como eu saí do estágio, o amigo do Veterano (o mesmo monitor de oac), achava que eu era quem mais merecia tutoria de Computação Básica (uma vez que a PlayCB é voltada justamente pra alunos de Computação Básica) e correu atrás de um monte de professor pra eu conseguir a bolsa, mesmo que eu não cumprisse todos os requisitos (precisava de notas altas no boletim, que é uma coisa que eu não tenho ) e, no final das contas, ele conseguiu essa bolsa pra mim.

Ou seja, no que eu acho que seja minha área, Computação Gráfica + um tiquinho de educação, tem tudo andando tão bem que me desmotivou a trancar esse semestre, por mais que eu precisasse de verdade passar em oac.

 

 

Apesar que agora só me resta passar no vestibular de novo, porque não consigo me formar no máximo de tempo de permanência na unb, se passar agora em todas as matérias.

Quando chegar no 14º, eu tranco a unb por 1 ou 2 semestres, estudo num pré-vestibular, aí eu acho que passo. Matemática pesa bastante pra cic e eu acho que quase gabaritei esta parte no último vestibular, se não fosse pela probabilidade e números complexos.

 

Ou posso simplesmente fazer um kickstarter de salada de batata.

 

Mudando completamente de assunto, pra finalizar, o Onigiri tá em hiatus para manutenção, e eu já fiz toda a parte de programação dele (a que envolve mexer com banco com as novas funcionalidades dele e a parte do php). Só falta o css, aquele ordinário.

Gastei todo o dinheiro que tinha em apenas um bairro

Puxa, como a Dani não tinha blog, eu vou deixar avisado que a respondi no post que ela comentou.

 

Bom, eu já voltei de viagem, voltei sábado passado. Mas vou contar aqui meus últimos dias de viagem e depois faço um post de recapitulação.

Hiroshima foi hiper, mas hiper acolhedora. Os dias lá eram bem ensoralados, ninguém tava de casacão na rua. Putz, passear por lá foi hiper gostosinho. Quando subi pro meu quarto, que era um dormitório, conheci uma velhinha japonesa suuuuuuuper simpática que acabou me enchendo de presentes, enquanto eu tava me embolando toda pra poder recusar a quantidade de presentes que ela me dava.

Mas ela, de 75 anos, me levou pra passar em Hiroshima. Ela me contou que não valia a pena comprar passe de museu de um dia, porque os museus de Hiroshima eram todos a céu aberto. Me mostrou o bairro dos cemitérios que, te dizer, os templos eram lindões, mas a quantidade de túmulo dava meio que, aannnnnnnn…

Me mostrou o castelo de Hiroshima e disse que todos os templos tradicionais de lá, diferente das outras cidades japonesas, tinham pelo menos uns 70 anos. O motivo, bom, a bomba. Mas esse castelo, diferente do de Osaka, Nijo ou os outros castelos que passei, não tinha aquele labirinto de pedra. Era um grande chão e, logo a frente, o castelo. Imagino que não reconstruíram o labirinto.

Aí ela me mostrou o Memorial da Paz, que ela mesma não tinha visto de noite. Era um tanto assustador até. A qualquer momento poderia pular um fantasma.

No outro dia, fiz amizade com um alemão e fomos à ilha Miyajima. Era uma ilha que vive basicamente do turismo. Fomos num domingo e tava bem cheio lá. Esta ilha era infestada por renas fofinhas e preguiçosas, assim como Nara, pelo o que o alemão falou. Tiramos fotos de bastante coisa.

Teve até uma cerimônia de casamento por lá! Nem a vovó que tinha me mostrado Hiroshima viu uma cerimônia de casamento tradicional. Eu fui bem sortuda!

Depois do casamento, fomos subir uma montanha. Minha primeira montanha! Rapaz, foi foda. Em todos os sentidos. E ainda a água no topo da montanha era 250 yens.

Aí isso acabou comigo, não conseguia andar mais de jeito nenhum.

 

No outro dia, fui pra Tokyo, a minha última cidade. Com o último dia do JR pass, eu usei para ir em Odaiba e ver o Gundam gigante. Teria explorado mais Odaiba se meus pés não estivessem mortos.

No dia seguinte, fui em Akihabara levando 30 mil yens. Nunca que eu ia conseguir gastar esse dinheiro num só dia, certo?

Quebrei a cara, vi tanta coisa linda e que não cabia mais na minha mala, mas mesmo assim comprei e… E, bom.

Fui inclusive num Maid Cafe de verdade!

Aí quando vi que tinha apenas 5000 yens sobrando, eu me forcei a voltar pro meu hotel, e era tipo umas 15:00.

 

Os restos dos dias eu fiquei esperando dar o dia que eu poderia ir embora, já que não poderia gastar com mais nada. Eu tinha ainda uns 400 yens sobrando dos yens que separei pra passagem pro aeroporto. Aí gastei esses 400 num game center.

 

E então, depois de 30 horas de viagem, eu cheguei no Brasil. Dei um abraço bem forte nos meus pais e no meu namorado e voltei pra casa.