Deu tudo certo

Este semestre foi extremamente exaustante pra mim. Algumas coisas legais, muitas coisas tristes, muitas coisas… Mas hoje fui recompensada! Sinto que passei no vestibular de novo. Todo aqueles meus sacrifícios, estresses… Dever cumprido!

 

Primeira coisa de tudo é que este semestre começou com o Veterano viajando pro Canadá, pelo Ciência Sem Fronteiras. Sempre enchi o saco pra ele aproveitar pra estudar o máximo e não cair na gandaia. E também me ligar toda semana porque eu iria ficar triste.

Bom, ele tentou manter a rotina de me ligar toda semana, mas logo depois a faculdade dele começou a enchê-lo de trabalho, bem como a minha, aí se tornou menos frequente nossas ligações. Porém, continuávamos fofocando sobre os outros todo dia no facebook, jogamos com nossos amigos Gauntlet e, quando ficávamos enrolados com alguma matéria, continuamos nos ajudando (um fazendo o trabalho do outro). Assim, fez uma baita de uma falta não vê-lo mais toda semana, mas tentamos contornar esse problema.

E daqui a 4 dias estarei indo pro Canadá passar o natal e o ano novo com ele. Gastei todo meu dinheiro de tutoria que ganhei, o que sobrou da viagem do Japão e contando que vou ganhar salário certinho nos próximos 3 meses. Já planejamos todos os lugares que iremos, compramos as passagens de ônibus e tenho certeza que tudo vai dar certo, vamos comprar muitas tranqueirinhas e vamos tirar muitas fotos juntos.

Irresponsável da minha parte? Eu nunca tive dúvidas disso. Mas eu o amo e sei que vale a pena isso que faremos.

 

Este semestre eu e meu orientador fomos para o Congresso da WPOS, Workshop da Pós Graduação. O que eu estava fazendo lá? A esposa do meu professor, umas das coordenadoras do evento, falou que nosso projeto de graduação é extremamente interessante e que não deveríamos deixar de ir.

Teve alguns problemas com nosso artigo, pois os professores estavam recusando toda vez que a gente o submetia. Eles reclamavam que a formatação estava incorreta (tipo, o título estava zoado). O problema é que meu orientador é simplesmente o “cara” do departamento que entende de formatação de texto (aquelas coisas de Latex). Para ele, era inadmissível meu artigo ser recusado pelos motivos que os caras tavam apresentando, então acabou que ele saiu brigando com todo mundo. Eu tenho muita sorte por ter um orientador tão preocupado comigo. ;u;

Depois de muita ladainha, o artigo foi aceito e lá fomos nós! Convidei meu pai, minha mãe e minha vó para ir, pra que eu não ficasse nervosa quando fosse apresentar, mas não foi muito efetivo.

 

Continuei nervosa, gaguejei, esqueci o que iria falar, falei rápido demais, tropeçando nas palavras… E olha que meu orientador tava soprando colinha do que eu iria falar o tempo inteiro. Uma coisa é apresentar pra uma turma de alunos, outra coisa um público de professores e doutores.

Enfim, eu achei um desastre.

Como eu tinha ENEM no dia seguinte, eu não pude ficar o evento todo, então, depois que apresentei, eu fui embora. Porém, quando eu estava indo embora, um monte de gente veio falar comigo sobre nosso projeto: muita gente gostou, quer que ele evolua mais e que esta área realmente precisa de mais atenção mesmo. Teve até gente que leu meu artigo antes de falar comigo!

E, claro, a esposa do meu orientador falou que eu deveria fazer iniciação científica com este meu trabalho, então outra coisa que eu me senti mega feliz.

 

Este semestre eu montei exclusivamente por causa de uma matéria: Organização e Arquitetura de Computadores (OAC). É uma matéria complicada, extremamente trabalhosa e com provas gigantelescas. Por isso mesmo, este semestre só fiz TG1 (trabalho de graduação 1), Chinês 1, Instrução a psicologia e OAC.

TG1 a professora ficava enchendo o saco por causa de bibliografia e da introdução. Não se dava o trabalho de ler minha monografia, só reclamava da introdução e das referências bibliográficas, coisa de ficar tirando 4 pontos. Ignorei.

Chinês 1 eu confesso que poderia ter estudado mais, pois estava fazendo chinês com o intuito de aprender a ler mais kanjis e não me assustar quando ver um monte de kanjis juntos. Não deu muito certo. Porém a professora era hiper meiguinha e dava nota por qualquer besteira que a gente falava. Ela merece todos os rolinhos primavera que ela quiser. Ainda bem que fiz chinês este semestre, porque ela está voltando pra China já nestas férias (inclusive acho que ela já voltou). Se não fosse por ela, eu provavelmente iria odiar a matéria, porque os outros professores do departamento chinês eram, olha….. Ooooolha…

Enfim, que ela tenha uma excelente viagem de volta. <3

Psicologia eu chutei o balde. Estava fazendo realmente só pelos créditos mesmo e, quando vi que tinha nota pra passar com 5 na média final, eu meio que a abandonei. Me senti culpada depois porque acho que o professor não merecia isso, mas eu tinha minhas prioridades.

E minha prioridade era OAC.

Vários sábados e domingos na unb estudando pra essa matéria, fazendo todas as provas anteriores, questões do livro, questões dos slides, pedindo monitoria, indo na sala do professor pedindo ajuda numa questão…

As notas demoraram pra sair, mas eu não precisava delas pra saber que não tinha ido tão bem quanto gostaria nelas. Desta vez, eu fiz OAC com um professor que, mesmo que ele seja hiiiiper atencioso, que nos acompanha nos sábados e domingos de estudos (tipo: “Professor, acha que consegue aparecer no sábado pra nos ajudar a estudar pra prova?“, e ele “Claro! Estarei lá as 14:00“), assim, fofuxo… As provas dele são insanas. Bem como os trabalhos.

Quer dizer, o que você normalmente esperaria de um aluno cursando OAC? Que ele saiba o mínimo do funcionamento dos processadores uniciclo, multiciclo e pipeline e, no final do semestre, que o aluno consiga implementar algum desses processadores com instruções básicas. O que este professor espera? Que o aluno, além de saber isso, saiba em todos os detalhes o funcionamento de algum módulo que dê pra implementar na placa DE2-70, no final do semestre consiga fazer um jogo 100% funcional.

O módulo deste semestre foi implementar o protocolo de transmissão RS-232 e o Boot Loader. Que, por sinal, apenas o meu grupo conseguiu implementar direito. Apenas o meu grupo conseguiu implementar esse protocolo e ele era essencial para a realização do trabalho final.

Ou seja, se numa matéria, apenas um grupo consegue fazer tal coisa, dos 5 que tinham (cada um com 5 alunos cada), alguma coisa está errada.

De qualquer forma, o jogo deste semestre foi fazer o jogo do Pateta e o Max:

Acho que quem lê meu blog não entende o quanto é difícil fazer isso, mas, vão por mim, é difícil pra caramba.

 

E então saiu as notas:

Untitled

 

Agora vou curtir minhas férias e cuidar de mim. Beijos pra vocês