Síndrome do impostor

Mais problemas

 

É a mais pura verdade: quando tô passando por algum problema é que eu lembro que eu tenho blog. Como eu não tenho viajado, também não tem outra tipo de postagem aqui também, aí acaba que eu fico uns 6 meses sem dar as caras (só atualizo com coisa boba pra eu não sair do Onigiri no churrasco).

 

Esses últimos meses eu tenho procurado emprego. Me cadastrei no vagas, geekhunter, beempregos, sine, bne… E outros milhões. Algumas empresas anunciam essas vagas num desses site e, para você enviar o currículo, tem que se cadastrar em outro site e é assim que consegui me cadastrar em milhões de sites de emprego. Acho que faz parte do processo seletivo.

 

Eu no caso consegui dois empregos nesse período que não atualizei o blog. E me demiti dos dois: um depois de três dias e outro antes de começar a trabalhar. E o motivo? Eu não faço a menor ideia.

O primeiro emprego eu consegui pelo próprio vagas. Tiveram três etapas de processo seletivo:

  1. fazer 3 provas de conhecimento (inglês, espanhol e lógica): eu não recebi notas de nenhuma, mas fiquei surpresa por ter passado porque eu demorei pra perceber que eram 40 segundos pra responder cada questão
  2. entrevista coletiva: eu não faço ideia como passei nessa parte
  3. entrevista individual: não teve porque eles já me queriam na empresa desde a entrevista coletiva (????)

E aí eu fui chamada pra trabalhar lá, com carteira assinada e tudo. Eu não gosto muito da ideia de carteira assinada porque não gosto de pagar impostos e não gosto da obrigatoriedade de vale-alimentação e vale-transporte. As pessoas acham que esses vales são de graça, mas você quem paga por eles no final das contas e tem vezes que você nem usa tudo, mas recebe mesmo assim. Se eu recebesse meu salário na íntegra, eu saberia controlar ele melhor.

O emprego era de trainee. Um trainee obviamente estava lá na empresa justamente pra aprender. Eu não tinha problema nenhum com isso. Era justamente o emprego perfeito pra mim já que eu tinha acabado de me formar e só tive dois estágios durante a graduação.

Mas aí…


Teve no segundo dia um trabalho em grupo. Eu já tinha feito amizade com um pessoal lá, todo mundo bem bacana. O trabalho era configurar um servidor java, coisa bem idiota. Cada um no grupo foi responsável por uma parte desse negócio. A entrega era no dia seguinte.

Pra mim, era óbvio o que eu tinha que fazer: fazer o servidor funcionar. Então, por favor, me deixe terminar. Vou ficar feliz terminando meu trabalho.

Porém, eu tinha que trabalhar no computador da empresa, no horário da empresa. O computador não me ajudava muito, mas eu sabia exatamente todos os passos que eu tinha que fazer pra fazer o servidor funcionar.

 

Mas não deu tempo.

 

Aí me veio um sentimento de “atrapalhei o grupo”, de que “não me esforcei o bastante”, de falha… Que aí eu comecei a chorar, e meio que foi na frente de todo mundo. Chorei na frente do meu grupo, dos dois tutores, da mocinha do RH. Aí depois fiquei com vergonha disso e pedi demissão no terceiro dia.

Se isso é motivo de pedir demissão? Não. Então o que foi que me fez pedir demissão? Não faço ideia.

 

O outro era uma startup e eles iriam fazer um aplicativo de celular. Eu não tenho experiência com fazer aplicativos e tampouco tenho celular pra fazer usar apps (meu celular é blackberry), mas seria uma boa oportunidade de aprender, já que as pessoas já nem computador de casa tem mais, ou é tablet ou é celular. Por alguma razão que desconheço, mesmo falando que não tinha experiência com apps, o pessoal dessa startup me chamou numa sexta pra eu começar na segunda. Durante sábado e domingo, eu ficava chorando de noite, pensando “não quero trabalhar, não quero trabalhar”, quando meus amigos perguntavam da empresa, me batia uma bad…

Tava me fazendo tão mal a ideia de começar a trabalhar que eu mandei email domingo de noite pedindo desculpas, mas que não poderia trabalhar.

Por que eu pedi demissão? Não sei.

 

-Sii…??? Você tá loca se demitindo das coisas? Se está com preguiça de trabalhar, não procure emprego

Não estou com preguiça ou acomodada. Já me perguntaram isso e, definitivamente, não é assim que me sinto. Sei que não é referência pra ninguém, mas dia desse eu vi um vídeo do PC Siqueira sobre ele se sentir um impostor, ou seja, tudo o que ele conquistou é tudo uma armação, que na verdade ele não é tão capaz/genial quanto as pessoas acham e, quer saber, parece isso mesmo que eu sinto. Não me sinto capaz pra fazer nenhum dos trabalhos porque tem muita gente melhor que eu por aí e, mesmo assim, parece que as pessoas acreditam em mim, então eu meio que enganei elas pra elas acharem que eu consigo fazer as coisas. Tipo, pra que me chamar?

 

Eu comecei faz umas 3 semanas a ir num psicólogo e, francamente, está sendo péssimo. Eu fui com a intenção de descobrir o motivo de eu estar pensando essas coisas, do porquê fiquei estressada no emprego justamente pra corrigir isso e não fazer acontecer de novo, e tudo que psicólogo falou nessas sessões foi “você tem que se perdoar“, “você chorou por uma razão, qual foi?“, “tem que se conhecer melhor Se eu soubesse a razão, eu não iria no psicólogo!

 

Bom, mudando de assunto, hora do meme! Fazia muito tempo que eu não era indicada pra responder meme, que é sempre uma boa desculpa pra atualizar o blog, mesmo que ele esteja às moscas

 

• Escrever 11 fatos sobre ti
• Responder as perguntas de quem te indicou
• Indicar de 11 a 20 blogs com menos de 200 inscritosATA
• Fazer 11 perguntas aos blogs indicados
• Colocar o selo do Liebster Award
• Linkar quem te indicou – Shana

11 fatos sobre mim

  1. Apesar de ter me formado em Ciência da Computação, não foi no curso que eu aprendi a mexer com WordPress, bloguinhos, javascript, blábláblá…
  2. Eu nunca faço conta de cabeça
  3. Tenho todos os quatro dentes de siso e não tenho a intenção de tirar eles (não consigo tomar remédios de cápsula)
  4. Tenho uma boa amizade com meu orientador e tamos planejando fazer um mestrado usando o jogo Dark Souls
  5. Meus fones de ouvidos não duram 2 meses. Eu não faço ideia de como eles quebram, eles só se desmontam e sou obrigada a passar fita durex neles enquanto o novo fone não chega.

    Esse é o fone que tô usando atualmente

    Já tive fone de 30 reais, de 200, de 80… Esse aí é de 30, e quebrou do mesmo jeito que o de 200

  6. Eu nunca tirei notas altas e sempre me esforcei pra tirar 5. Não entendo até hoje como passei no vestibular
  7. Meu jogo preferido atualmente é Overwatch
  8. Pretendo comprar o PS4, porém só quando tiver 5 jogos exclusivos maneiros que eu jogaria. Estou esperando até hoje por esses 5
  9. Eu gosto de aprender novas línguas. Já estudei inglês (óbvio, na vida), espanhol (na escola), japonês (7 anos na Escola Modelo), chinês (1 semestre na UnB), libras (1 semestre na UnB) e atualmente estou aprendendo francês (tava estudando sozinha pelo duolingo e agora estou pagando cursinho na Aliança Francesa)
  10. Estou engordando e perdendo calças jeans bem rápido. Oh no
  11. Meu namorado é meu melhor amigo e não gosto de fazer coisas sem ele

11 perguntas da Shana

1. Qual foi sua nota mais baixa na escola/faculdade?

0. Bem redondo. Eu já estava passada na matéria aí não estudei pra terceira prova, porém não queria deixar o professor triste, então continuei indo nas aulas e prestando atenção, mas não tava muito a fim de estudar nos sábados. Aí não consegui fazer nada na prova. Coitadas das pessoas que precisavam de nota.

2. Se você só pudesse usar uma única cor de roupa pra sempre, incluindo acessórios e maquiagem, qual seria? 
Talvez branco. Branco vai de branco puro a preto bem escuro, se ficar só mexendo com a tonalidade dele, então… É meio sem graça, mas acho que não teria muita escolha.

3. Você foi sequestrada. Os sequestradores pedem um número de telefone para fazer o pedido de resgate. Você dá o número de quem?
Do meu pai. Ele sempre tá com o telefone na mão e, bom, é meu pai, seria capaz que até os sequestradores estivessem em perigo por causa disso.

4. Qual seu mês favorito do ano e por quê? 
Janeiro porque eu amo ficar de domingueira em casa o mês inteiro.

5. Você acordou pela manhã e descobriu que trocou de corpo com uma pessoa famosa. Quem é?
Simone Giertz. Agora tenho todos os robôs que preciso pra ter uma vida alegre e feliz.

6. A Hinata me indicou para o Liebster Awards pela milionésima vez. Como eu devo me vingar dela?
Indique um meme que ela já tenha respondido e que não tenha gostado.

7. O próximo layout do Hishoku deveria ser de que cor?
Que tal cinza? Meio clima de inverno, mas sem ser aquele brancão que cega os olhos.

8. Qual foi a última série/filme/anime que você assistiu? Indicaria para alguém?
Um dos animes que tô assistindo é a segunda temporada de Shingeki no Bahamut. É divertidinho o anime, tem lutas legais, uns monstros com design legal também, mas a história dele é bem genérica. Eu recomendo pra quem não quer pensar muito.

9. Você acorda e sua cama está boiando no meio do mar. Não tem terra a vista em nenhum lado. O que você faz?
Primeiro me pergunto o que aconteceu, como minha cama tá boiando, onde tá todo mundo e que dia é hoje. Depois dos questionamentos, espero ficar de noite pra ver se encontro alguma constelação que conheço pra poder seguir. Aqueles animes que se passam no mar vão ser úteis agora.

10. Um cara bate na sua porta e diz que se a sapatilha que ele tem nas mãos servir no seu pé esquerdo, ele se casa com você. O que você faz?

11. Você não poderá se alimentar de nada além de um único legume/verdura de sua escolha pelos próximos 3 anos. O que você escolhe?
Batata. Quer ter mais variedade de como comer batata?

Minhas 11 perguntas

  1. Você mudaria a data do seu aniversário?
  2. Qual a primeira coisa que você lembra quando lembra da cor azul?
  3. Seu pai foi sequestrado! O sequestrador te propõe que, para soltar o seu pai, você teria que ficar aprisionada na casa do sequestrador e não poderia chamar a polícia. O que você faz?
  4. Qual foi o livro mais cansativo que já leu?
  5. Se você pudesse resumir sua vida com um título de filme, qual seria?
  6. Viver para trabalhar ou trabalhar para viver?
  7. Qual foi o sonho mais bizarro que já teve?
  8. Cães são (________) e gatos são (_________).
  9. Qual mania sua que você tem plena consciência que não é normal?
  10. Qual música você tem vontade de aprender a tocar/cantar?
  11. Se você pudesse voltar no tempo com sua atual consciência, quantos anos você voltaria e o que mudaria?

Pessoas indicadas

Quem achar legal o meme e quiser responder, especialmente se for morador do Onigiri, sinta-se indicado. Principalmente aqueles que tão com dificuldade de atualizar o blog.

Participação do puxadinho Chibi Maker: OC’s do Onigiri

Morango, o namorado quase perfeito

ChibiMakerMorango inicialmente foi criado para ser o namorado perfeito de alguma menina do Onigiri. Sempre é feito uma enquete de quais partes compõe um namorado perfeito e muitas participam do processo. Porém, assim que ele é finalizado, todas as meninas acabam esquecendo quem é o Morango. Por conta disso, ele antigamente ficava perambulando pelo prédio deixando flores nos apartamentos das moradoras, cartinhas, tentava se destacar nos minigames, mas foi tudo em vão. O máximo que lhe aconteceu foi lhe confundirem com o zelador.

Várias foram as tentativas de mudar fisicamente o Morango, para ser notado por pelo menos uma moradora, mas, assim que ficava pronto, sempre era ignorado. Será que é só pelo fato que todas sabiam que ele era só um robô?

Morango estava ficando tão triste que começou a se isolar do prédio, ficando no porão num estado de stand by. Com uma situação desta, a síndica achou melhor optar por desativar sua inteligência artificial, deixando-o sem emoções e lhe deu uma nova função: cuidar da página do Onigiri no facebook.

Kuroi, o entregador de cartas

ChibiMaker2Kuroi fugiu de casa aos 11 anos e procurou abrigo nos mais diversos lugares. Sua mãe morreu quando era muito jovem e seu pai começou a ficar agressivo após a morte dela. Quando Kuroi encontrou o Onigiri, ele ainda era um humilde prédio com apenas dois blocos e governado por duas síndicas, Sii e Kih. Dada a situação que se encontrava, ambas as síndicas não se aguentaram e deixaram ele morar no quase prédio também, mas ele, apesar da história triste, ainda tinha que pagar o próprio aluguel para ser justo com todos os outros moradores.

O jeito que as síndicas encontraram para o Kuroi pagar o aluguel foi deixando-o responsável por acompanhar os visitantes para o preenchimento da ficha de inscrição e para entregar avisos para cada morador.

Quem não entender o que diabos eu fiz este post, dê uma olhadinha no puxadinho da senpai!

Baita semestre sofrido

Eu acho que se eu tivesse que trancar algum semestre da unb, eu deveria ter trancado este. Mas aí eu só não me importei.

 

 

Eu fiz poucas matérias. Uma delas, Organização e Arquitetura de Computadores (oac), eu sempre soube, sempre, que seria meu calcanhar de Aquiles. Uma coisa que eu não gosto são circuitinhos, é extremamente baixo nível pra mim E, basicamente, oac são circuitinhos complexos + assembly mips.

Mips, por incrível que pareça, eu consegui pegar a ideia. Fiz um programa relativamente complicado com ele, usando listas e outras ed com eles e abusando da pilha de memória. Não temos uma matéria Introdução a oac, então, mesmo que mips seja “fácil”, engatar na ideia é extremamente árduo. Porém, fiquei bastante orgulhosa dos meus primeiros trabalhos.

 

 

Então chegou as partes dos circuitinhos e minha vida começou a desandar. Acho que nunca contei aqui no Keshigomo, mas eu tenho sofrido de algum mal do sono. Não falo de ficar com preguiça pela manhã ou tirar uma soneca no meio da aula, mas sim de fazer prova e apagar de repente. Ou estar fazendo resumo pra alguma matéria e começar a escrever dormindo. Ou dormir enquanto dirige!!! (Eu parei de dirigir por medo, ok?)

Eu tenho isso desdo ensino médio, mas nunca me atrapalhou esse troço. Porém, com o passar dos anos, esse troço vem ficando mais frequente, e não posso deixar de comentar que eu já passei um semestre dormindo sem querer em todas as aulas de um professor super gente fina (que faz piadinhas e tudo mais) e… E do professor de oac.

Como a primeira parte da matéria é relativamente tranquila em relação com a segunda, eu fui levando. Dormindo contra minha vontade nas aulas, pah, mas ok. Estudei pra caramba pra primeira prova, saí do estágio pra ter mais tempo pra estudar, tudo tava conforme os planos. Acabei estudando mais do que deveria, na minha opinião. Fiz a prova super tranquila, achando até que tinha ido bem.

E então, 1,5.

Isso me deixou profundamente abalada.

 

 

Aí então eu marquei minha primeira sessão de psicóloga. Eu estava muito abalada com minha nota, estava chorando por quase tudo que tava acontecendo na minha vida (tudo mesmo), acabei me afastando de todos meus amigos (exceto o Veterano, mas ele é meu namorado), enfim. Chegando lá, a primeira coisa que ela fala, depois que contei que além de eu estar triste pra caramba, era desse troço do sono, ela:

-Minha filha, você deveria ter procurado um neurologista primeiro.

A partir daí eu acho que ignorei tudo o que ela falou porque não lembro de nada na conversa. Como ela falou que eu deveria primeiro ter procurado outra moça, eu presumi que continuar com aquelas sessões eram inúteis.

Continuando a vida, eu estava fortemente ainda tentando estudar pra oac e fazer meu processador. Com muito esforço eu fiz uma ula, um banco de registradores e aí fui fazer a memória.

 

Ah sim, eu esqueci de falar que o monitor, que é amigo do Veterano, já não aguentava mais eu ir nos plantões dele e mandou eu ir estudar sozinha, o que acho mais que válido. O professor falava que eu tinha que procurar o monitor pra tirar minhas dúvidas.

 

Sozinha eu não tava conseguindo fazer o que eu precisava fazer pra memória funcionar. Tirando 1,5 na primeira prova, eu tinha que tirar 8,5 pra passar na segunda. Se eu tinha estudado até mais do que achava que precisava pra primeira prova, e o segundo conteúdo eu não estava entendo, e ainda tinha que fazer o processador funcionar, então…

Então o que eu tinha que fazer? Trancar o semestre.

 

 

Porém eu não fiz isso, porque, fora essa matéria, muitas coisas legais estavam acontecendo na minha vida acadêmica.

Eu finalmente decidi meu trabalho de graduação, que estou orgulhosa até. Apesar de focar educação, envolve muita coisa teórica da computação mesmo e é uma ferramenta útil. A PlayCB. Ela é uma api voltada para programadores inexperientes fazerem coisas legais com OpenGL, isso sem saber um tiquinho de opengl. Eu fiz ela baseada no meu primeiro semestre de cic na unb e o que eu queria ter aprendido e como queria ter aprendido.

Tem dado bastante certo. Dois professores aplicaram a PlayCB este semestre e só recebi elogios e muitas ideias do que mais ela pode fazer. Um professor quer levar meu projeto pra wPós, que este ano em especial abriu vagas pra alunos de graduação, e outro quer levá-la pro próximo CSBC. Ou seja, eu me senti mega importante com essas coisas e hiper feliz. Não só isso, como eu saí do estágio, o amigo do Veterano (o mesmo monitor de oac), achava que eu era quem mais merecia tutoria de Computação Básica (uma vez que a PlayCB é voltada justamente pra alunos de Computação Básica) e correu atrás de um monte de professor pra eu conseguir a bolsa, mesmo que eu não cumprisse todos os requisitos (precisava de notas altas no boletim, que é uma coisa que eu não tenho ) e, no final das contas, ele conseguiu essa bolsa pra mim.

Ou seja, no que eu acho que seja minha área, Computação Gráfica + um tiquinho de educação, tem tudo andando tão bem que me desmotivou a trancar esse semestre, por mais que eu precisasse de verdade passar em oac.

 

 

Apesar que agora só me resta passar no vestibular de novo, porque não consigo me formar no máximo de tempo de permanência na unb, se passar agora em todas as matérias.

Quando chegar no 14º, eu tranco a unb por 1 ou 2 semestres, estudo num pré-vestibular, aí eu acho que passo. Matemática pesa bastante pra cic e eu acho que quase gabaritei esta parte no último vestibular, se não fosse pela probabilidade e números complexos.

 

Ou posso simplesmente fazer um kickstarter de salada de batata.

 

Mudando completamente de assunto, pra finalizar, o Onigiri tá em hiatus para manutenção, e eu já fiz toda a parte de programação dele (a que envolve mexer com banco com as novas funcionalidades dele e a parte do php). Só falta o css, aquele ordinário.

Finalmente no WP


Ok, ok. O css não ficou bom, não consegui aproveitar todo o potencial que o lay me dá. A Naru quem fez esta versão do Keshigomo e eu fiz o css.

Tá vendo? Eu não consigo mais criar coisas bonitinhas. Eu sei fazer um bando de coisas, mas não tenho um pingo de noção do que fazer com o que sei.
Exatamente por este motivo que fiz a Kih, além de desenhar o novo layout do Onigiri, me mostrar o que fazer com o css. PARE DE DEIXAR ESSAS COISAS DE DESIGNER COMIGO! Eu não levo jeito. E nem gosto mais.



Ok, estou muitos e muitos meses sem escrever e…
O que eu posso falar?

Ah, posso falar de otakus. Otakus são um pé no saco.
No tumblr tenho presenciado muitas atrocidades e posts totalmente ignorantes os quais nem posso comentar lá, pois, caso contrário, uma legião de otakus usando Caps Lock me atacam.
Já arranjei muita briga com o tumblr da Anime Air, e, não sei por que cargas d’água, sempre fala como se estivesse sendo filmada em um anime dramático.
Eu não sei, eu tenho uma péssima impressão dela e os posts e asks respondidas dela não ajudam em nada na imagem dela.
Ou talvez eu tenha algo com crentes, enfim.

Bom, o dia que explodiu foi por conta de “como falar o nome do mangá X“.
Vocês podem ver aí: uma pessoa aleatória se interessa pelo mangá e pergunta “que mangá é esse”.
POSSÍVEIS RESPOSTAS PARA NÃO SER UMA OTAKU ALOPRADA

01. /Éckiss/ da Clamp. Muito bom, por sinal.
02. /Éckiss/.
03. *mostra a capa*

Já começa por aí o negócio.
Ok, o menino podia ser um babaca, então a segunda resposta seria a mais adequada.
Então, a otaku hardcore fala /XÍS/.

Ah, mas otaku hardcore é otaku hardcore. Chama o Light de Raito, porque o inglês mal falado dos japoneses é mais legal e fala os nomes dos 600 e porrada pokemons tudo em japonês também.

Ahhhhhh, aí eu fui imitar um otakinho hardcore.
E pronto, fudeu.

Depois disso, a menina disse pra eu dar unfollow, porque eu não podia escrever isso no meu tumblr, que não sei o que, que eu fui grosso, e, por conta disso, milhões de otakinhos que dizem sofrer preconceito foram no meu tumblr usar Caps Lock, e não sei mais o que, e mimimimimi…

Bom, é alguma coisa pra se fazer na internet. O tumblr, basicamente, só serve agora pra postar imagens e pra arranjar briga com esses otakinhos.

Um fato é que estou morrendo de medo de ir no Anime Dreams e me deparar com mais otakus assim.


Eu ainda não desisti de fazer um vlog, mas só preciso de uma câmera. Aí eu saio com o Caio e a gente grava nossas aventuras.
É aquele negócio: a gente vira comediante quando está perto dos amigos.

E pretendo voltar a usar o blog com mais frequência… Por conta disso, vou acabar pedindo um tema de WP no Onigiri, eu acho…
Eu não gostei de jeito nenhum deste css que fiz.